Fuvest muda regras de seu vestibular

Conselho de Graduação a USP aprova pacote de medidas que tornarão o processo seletivo mais difícil

Mariana Mandelli, O Estado de S. Paulo

02 Junho 2011 | 13h36

O Conselho de Graduação (CoG) da Universidade de São Paulo (USP) aprovou nesta quinta-feira, 2, um pacote de cinco medidas que devem tornar o vestibular da Fuvest mais difícil e concorrido. As mudanças, que vão elevar a nota de corte de praticamente todas as carreiras, já valem para o próximo processo seletivo.

 

As alterações aprovadas são: voltar a considerar a nota da 1.ª fase, com o mesmo peso das provas da segunda etapa; diminuir de 20 para 16 o número de questões da prova do segundo dia da 2.ª fase; chamar entre dois e três alunos por vaga para essa etapa – hoje são chamados três vestibulandos para cada vaga; elevar a nota de corte da 1.ª fase de 22 para 27 pontos e a possibilidade de escolha de uma nova opção de carreira após a 3.ª chamada.

 

O vestibular da Fuvest tem uma 1.ª fase com 90 questões de múltipla escolha, e uma 2.ª etapa com provas dissertativas e redação, aplicadas durante três dias.

 

As sugestões foram elaboradas por um grupo de trabalho nomeado pela pró-reitora de graduação, Telma Zorn, com base em avaliações dos últimos vestibulares e sugestões dos departamentos. As propostas foram discutidas em duas reuniões do CoG este ano, mas enfrentaram resistência dos membros do conselho, formado por representantes das 42 unidades da USP.

 

Em março, o CoG aprovou mudanças no Programa de Inclusão Social da USP (Inclusp), elevando a bonificação para oriundos da rede pública de até 12% para até 15%, mediante o desempenho na 1.ª fase.

 

As inscrições para o vestibular da Fuvest estarão abertas, exclusivamente pela internet, entre os dias 26 de agosto e 9 de setembro. A 1.ª fase do vestibular será realizada em 27 de novembro. Já as provas da 2.ª etapa estão marcadas para os dias 8, 9 e 10 de janeiro de 2012.

 

Atualizada às 14h15

Mais conteúdo sobre:
FuvestVestibularUSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.