Fuvest: escrever bem definirá a 2ª fase

Fuvest: escrever bem definirá a 2ª fase

Aumento das notas de corte indica domínio de conteúdo por candidato; capacidade dissertativa começa a ser testada neste domingo, com Redação

Victor Vieira, O Estado de S. Paulo

03 Janeiro 2015 | 18h30

A capacidade de organizar bem as ideias no papel, tanto na redação quanto nas outras questões dissertativas, será ainda mais importante para quem tenta neste ano a segunda fase da Fuvest, exame que dá acesso à Universidade de São Paulo (USP). As provas começam neste domingo, 4, e vão até terça-feira, 6. Com o aumento das notas de corte em 83% dos cursos na primeira fase, o que revelou bom domínio do conteúdo pelos candidatos, a escrita clara e no tempo certo será decisiva. 

Bruna Karoline Silva, de 18 anos, candidata ao curso de Ciências Sociais, reconhece que as provas da próxima fase, apenas com questões abertas e redação, são um desafio adicional. “Saber formular uma resposta é meu maior empecilho”, admite. Ela ainda teme que a dificuldade da etapa anterior, com 90 questões de múltipla escolha, se repita na fase seguinte. “(A primeira fase) foi complicada. Esperava até que a nota de corte caísse, mas ela subiu.”

A jovem, que ficava desde a manhã até a noite no cursinho durante o ano, decidiu pegar mais leve na reta final. “Só reviso um pouco”, diz Bruna, que já sonha com as férias pós-vestibular. “Minha família sempre viaja para o litoral nesta época. Vou encontrar com eles três dias depois que acabarem as provas” afirma. 

Nayara Pina, que pretende cursar Medicina, é outra que mudou os planos de curtir o mar por causa da Fuvest, porém com sacrifício maior. “Fui convidada para passar o réveillon na praia, mas recusei”, afirma a candidata, de 19 anos. 

Ela se preocupa com a concorrência na segunda fase, mas também preferiu reduzir o ritmo nas últimas semanas. “Coloquei o pé no freio agora. O que tinha para aprender, já aprendi”, comenta Nayara, que faz o vestibular pela terceira vez. 

Hoje os cerca de 29,7 mil candidatos aprovados para a segunda etapa fazem as provas de Redação e dez questões de Português. Amanhã, respondem 16 questões de História, Geografia, Matemática, Física, Química, Biologia, Inglês e itens interdisciplinares. 

No último dia serão feitos os exames de disciplinas específicas, que podem ser dois ou três, a depender do curso pretendido. A Fuvest será realizada em 47 locais na capital e em 9 cidades do interior do Estado. 

Dificuldades. A orientadora educacional do Cursinho da Poli, Alessandra Venturi, destaca que os testes da segunda etapa beneficiam quem tem intimidade com a escrita. “Essa capacidade vai fazer a diferença.” Ela explica que o conteúdo cobrado é o mesmo, mas esta fase exige habilidades extras, como a de organizar ideias no texto e riqueza de vocabulário. 

Outra dica é estar bem informado: a leitura em dia de livros, revistas e jornais ajuda a contextualizar ou diversificar os argumentos usados na redação. “A Fuvest também avalia o repertório”, aponta Alessandra. 

Marcelo Dias, coordenador do cursinho Etapa, sugere que o vestibulando não se importe com os concorrentes. “Agora é um jogo dele com a prova”, afirma. “A preocupação do aluno deve ser na concisão e na clareza na hora de escrever, além do tempo de prova”, acrescenta. 

Assuntos que já apareceram na primeira fase não estão descartados, alerta Dias. “Talvez haja reincidência do tema da água, por exemplo”, diz ele, que também aposta em outros debates em alta, como protestos nas ruas, corrupção e ética. Os livros menos cobrados na etapa anterior também devem surgir com mais força. 

Veja dicas para a prova:

Evite atrasos. Pesquise antes como chegar ao local da prova e saia com antecedência de casa.

Saúde em dia. Durma bem na véspera de cada prova e evite refeições pesadas. Maratonas de estudos de última hora aumentam a ansiedade.

Material correto. A prova deve ser feita com caneta esferográfica azul ou preta.

Olho no relógio. O exame começa às 13 horas e os portões dos locais de prova são abertos meia hora antes.

Selfie proibida. Os candidatos não podem usar aparelhos eletrônicos, sobretudo celulares.

No quadrado. Os corretores só vão considerar o que está escrito no espaço destinado à resposta.

Dentro do prazo. A duração da prova é de 4 horas. Não há tempo extra para transcrever a redação do rascunho para o espaço adequado.

Mais conteúdo sobre:
Fuvest 2015 vestibular USP

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.