Fundação oferece bolsas em gestão pública para universitários

Programa visa a formar estudantes com vocação para o funcionalismo público

Vagner de Alencar, do Portal Porvir,

25 Fevereiro 2013 | 19h16

O que é preciso para fortalecer a gestão pública na América Latina? A Fundação Botín, uma das principais instituições sem fins lucrativos da Espanha que desenvolve ações voltadas à educação e à ciência, aposta na formação de jovens latino-americanos não para assumir cargos executivos em grandes empresas, mas para atuar no setor público. Para isso, lançou na semana passada a quarta edição das Bolsas para o Fortalecimento da Gestão Pública na América Latina, um programa que pretende detectar e formar universitários com vocação para o funcionalismo público para que ampliem e desenvolvam ferramentas que melhorem a gestão pública de seu país.

 

Com inscrições abertas até 30 de abril, o programa vai selecionar 40 estudantes – e 15 ficarão no cadastro de reserva –, com idades entre 19 e 23 anos, de qualquer área do conhecimento, de países como Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, México, Peru, Porto Rico, Venezuela, El Salvador, Costa Rica e Uruguai.

 

Na formação, que tem previsão para começar em 30 de setembro, os universitários passarão por um curso intensivo de dois meses e meio. As aulas serão realizadas na Universidade Brown, nos Estados Unidos, e contarão com atividades acadêmicas, oficinas, seminários, trabalhos em equipe, conferências e debates ligados à educação, marco jurídico, institucional, economia e sociedade civil. “A existência de um setor público sólido é condição sine qua non para que as sociedades usufruam de desenvolvimento social, econômico e cultural sustentado ao longo do tempo”, afirmou Iñigo Saenz de Miera, diretor-geral da Fundação Botín, no lançamento do programa em São Paulo.

 

Ainda como parte da formação complementar, os estudantes realizarão visitas institucionais à Espanha e a Bruxelas. No roteiro, estão o Congresso dos Deputados, o Senado, o Conselho Geral do Poder Judiciário de ambos os países, além do Quartel General da Otan, o Banco da Espanha, a cidade financeira do Banco Santander, a Comunidade de Madri e o Parlamento Europeu. Durante as visitas, os jovens terão encontros com profissionais dessas instituições, assim como sessões de treinamento, atividades esportivas, encontros com tutores e um programa de coaching.

 

As inscrições serão feitas por meio de um formulário online (disponível no endereço http://www.fundacionbotin.org/becas-botin-de-fortalecimiento-de-la-funcion-publica_becas-y-concursos.htm). Porém, obrigatoriamente, o estudante deverá anexar à candidatura uma carta de recomendação do reitor da universidade, que poderá indicar, no máximo, três candidatos. Ainda como requisitos para participar, os alunos devem apresentar excelente desempenho acadêmico, domínio do idioma inglês e a prática de ações voltadas ao compromisso social. Por último, precisam também postar no YouTube um vídeo contando sua história e por que merecem a bolsa de estudos.

 

Em rede

 

Durante as quatro edições do programa, 30 estudantes brasileiros ganharam bolsas. Um deles foi Marcos Eduardo Maestri, de 23 anos, estudante de Direito da Univale, em Santa Catarina, bolsista em 2012. “Meu irmão tem Síndrome de Down e há anos desenvolvo um trabalho em uma fundação que ajuda pessoas com essa deficiência. O curso me permitiu intensificar as experiências”, afirma o jovem, que faz estágio em um departamento público da cidade.

 

É também o caso de Martina Müller, de 22. A estudante de Direito da USP é atualmente estagiário no Ministério Público Federal, embora também planeje desenvolver trabalho com ONGs. Para ela, um dos diferenciais da formação, além do fato de se capacitar para “fazer o bem público”, é o contato permanente com universitários de carreiras e culturas diferentes. “No grupo, havia estudantes com carreiras bastante distintas, como Jornalismo, Engenharia, Relações Internacionais e Música, que buscavam e compartilhavam soluções a partir de suas aptidões. É o que o Brasil também precisa fazer. Muitas vezes nos excluímos da América Latina, quando, na verdade, poderíamos pensar em soluções conjuntas”, diz.

 

Na terceira edição do programa, em 2012, a fundação recebeu mais de 841 inscrições de estudantes de 318 de universidades latino-americanas; do Brasil foram mais de 200 inscrições de 106 instituições superiores. Nos próximos seis anos, a fundação quer formar 400 jovens. “É importante que mais dos melhores se dediquem ao serviço público”, enfatiza o diretor-geral Miera.

 

Fonte: http://porvir.org/porfazer/fundacao-da-bolsa-internacional-em-gestao-publica/20130220

Mais conteúdo sobre:
Ensino superior Gestão pública

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.