Divulgação
Divulgação

Fundação ligada à FEA-USP quer oferecer curso de graduação pago

Fipecafi pediu autorização ao MEC para lançar bacharelado em Ciências Contábeis

Carlos Lordelo, Estadão.edu

25 Agosto 2011 | 20h45

Uma fundação de apoio à Universidade de São Paulo (USP) aguarda credenciamento do Ministério da Educação (MEC) para abrir uma faculdade e um curso pago de graduação em Ciências Contábeis.

 

Criada por professores em 1974, a Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras (Fipecafi) é ligada à Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP. Trata-se da segunda fundação nascida na FEA que lança um bacharelado pago. A iniciativa recebe críticas da Associação dos Docentes da USP (Adusp), que já fez várias representações ao Ministério Público contra as fundações.

 

Iniciado em agosto do ano passado, o processo de credenciamento da Fipecafi como faculdade está em fase final de tramitação no Conselho Nacional de Educação. Quando o parecer do CNE for encaminhado ao MEC, a Secretaria de Regulação e Supervisão do ministério terá 30 dias para autorizar ou não o funcionamento do primeiro curso.

 

No início do ano, a Fundação Instituto de Administração (FIA) abriu uma faculdade e uma graduação em Administração, com mensalidades de R$ 1.970,00. Assim como no caso da FIA, o curso da Fipecafi não poderá ter professores da USP contratados sob regime de dedicação exclusiva.

 

Mesmo assim, a Adusp vê no projeto “desvio de função e apropriação indevida da capacidade instalada do Estado”. Para Ciro Correia, diretor do sindicato, a nova graduação vai disputar espaço com a da FEA, gratuita. “Se a Fipecafi surgiu para apoiar a USP, deveria realizar ações para fortalecer a universidade, e não concorrer com ela, como faz ao criar um curso particular.”

 

O diretor da FEA, no entanto, defende a abertura do bacharelado da Fipecafi. “Será o segundo melhor curso de Contabilidade do País. O primeiro continuará sendo o da USP”, diz o professor Reinaldo Guerreiro, que também é conselheiro da fundação. “Não há conflito de interesses. A fundação é uma instituição de direito privado que não se confunde com a universidade.”

 

Nova sede. A sede da Fipecafi deixou a Cidade Universitária da USP há três anos e hoje fica em um prédio da Vila Mariana, na zona sul da capital. Procurada pela reportagem, a entidade disse que só vai se manifestar quando o MEC publicar o resultado dos pedidos de credenciamento como faculdade e da autorização do curso.

 

A fundação tem como uma de suas missões dar suporte operacional e financeiro às atividades do Departamento de Contabilidade e Atuária da FEA. Os recursos vêm da realização de pesquisas e cursos de curta duração e de pós-graduação, principalmente MBAs, além da prestação de serviços de consultoria.

 

Não é a primeira vez que a Fipecafi tenta lançar um bacharelado pago. Há 10 anos, a entidade chegou a receber autorização do MEC para abrir uma graduação em Ciências Atuariais, que a USP não oferecia na época. A medida foi duramente criticada pelos então dirigentes da universidade, além do sindicato de professores. A reação fez com que a fundação recuasse e desistisse de criar o curso.

Mais conteúdo sobre:
Fipecafi Curso USP FEA Graduação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.