Fundação concede bolsas a universitários com vocação para o serviço público

Programa selecionará 40 estudantes da América Latina para curso nos EUA e na Espanha

Carlos Lordelo, Estadão.edu

17 de maio de 2010 | 15h42

A fundação espanhola Marcelino Botín vai conceder 40 bolsas de estudos a universitários da América Latina. Eles serão selecionados para um programa de formação em gestão pública. O projeto busca formar uma rede de interessados em contribuir para o fortalecimento das instituições em seus países de origem e o desenvolvimento regional.

 

Veja também:

Servidores apostam em formação permanente para modernizar a máquina estatal

 

Com orçamento superior a US$ 1 milhão, esta é a primeira iniciativa da fundação na América Latina. Podem se candidatar estudantes de qualquer área da graduação com idades entre 19 e 22 anos que tenham concluído entre 50% e 75% dos créditos do curso. Os responsáveis pelo programa vão escolher alunos de 10 países (Brasil, Argentina, México, Colômbia, Chile, Uruguai, Peru, Cuba, Equador e Porto Rico).

 

Os interessados precisam ser apresentados pelos reitores de suas respectivas universidades. Os critérios para a seleção são performance acadêmica, participação em associações estudantis e interesse e vocação para o serviço público.

 

Todas as universidades brasileiras - públicas ou privadas - podem inscrever seus alunos. "Cada universidade deve fazer uma seleção interna e apresentar até três candidatos", explica o diretor-geral da Fundação Marcelino Botín, Íñigo Sãenz de Miera Cárdenas.

 

O curso vai de outubro a dezembro e terá nove semanas de duração. As duas primeiras serão na Brown University, em Rhode Island, umas das mais tradicionais dos Estados Unidos. Depois, os alunos embarcam para Madri e Santander, na Espanha, onde concluem os estudos. Todos os custos serão cobertos pela bolsa.

 

Os estudantes cursarão disciplinas como História, Política, Ética e Economia. No fim das atividades, com duração de 500 horas de aula, eles recebem certificados de conclusão de curso da Brown University e da Fundação Marcelino Botín.

 

"Nosso objetivo é impulsionar o desenvolvimento das sociedades com base no talento das pessoas", diz Cárdenas. "Queremos que os estudantes voltem comprometidos com o fortalecimento das instituições não só de seus países, mas da região."

 

Segundo ele, a oportunidade de trocar experiências com universitários de outros países representa uma "experiência de vida brutal". "Mesmo que o curso tenha os melhores professores, e ele tem, o aprendizado maior vem dos companheiros."

 

O prazo para apresentar as candidaturas termina no dia 24 de junho. A relação de estudantes selecionados deve ser divulgada até o fim de julho. Mais informações no site da Fundação Marcelino Botín.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.