Funcionários da Unicamp decidem entrar em greve

Aumento de 6,57% concedido à categoria em reunião com conselho de reitores foi considerado insuficiente

Luciana Alvarez e Carolina Stanisci, O Estado de S.Paulo e Estadão.edu

12 de maio de 2010 | 15h15

Funcionários da Unicamp aprovaram hoje em assembleia entrar em greve por tempo indeterminado. O aumento salarial de 6,57%, concedido ontem em reunião realizada entre o Conselho de Reitores das Universidades Estaduais Paulistas e o Fórum das Seis (entidades representativas das três universidades paulistas), foi considerado insuficiente pelos servidores.

 

A categoria reivindica 6% de reajuste, para se equiparar ao aumento já concedido aos professores, 16% de aumento salarial e R$ 200 incorporados ao salário-base. "O que eles ofereceram foi muito pouco", afirmou Marcílio Ventura, coordenador do Sindicato dos Trabalhadores da Unicamp (STU).

 

"Vamos ter uma nova assembleia na quarta-feira da próxima semana, pois esperamos alguma mudança na nova reunião com o Cruesp, dia 18", informou Ventura.

 

O Sindicato dos Trabalhadores da USP, em greve desde o dia 5, também não concordou com o aumento dado e vai manter a greve. Procurado, o sindicato de trabalhadores da Unesp não quis se manifestar sobre o assunto, pois ainda está deliberando se entrará ou não em greve.

 

Mais conteúdo sobre:
unicampgrevecruespuspunesp

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.