Formado em ensino técnico tem 48% mais chance de conseguir emprego

Pesquisa revela que salário de quem tem educação profissional é 12,9% maior comparado a quem não tem

Carolina Stanisci, Estadão.edu

26 de maio de 2010 | 20h02

Pesquisa divulgada nesta quarta-feira revelou que quem cursa algum tipo de modalidade de educação profissional - qualificação profissional, ensino médio técnico ou curso superior profissionalizante - tem salário 48,2% mais chances de conseguir uma ocupação profissional do que quem não fez esses cursos.

 

A conclusão vem de um estudo feito pelo economista da Fundação Getulio Vargas Marcelo Neri, sob encomenda do Instituto Votorantim.

Para chegar aos resultados, o economista trabalhou com duas bases de dados do IBGE, a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) de 2007 e a Pesquisa Mensal de Emprego (PME) dos últimos oito anos. Segundo a Pnad, 29 milhões de pessoas frequentaram alguma dessas modalidades de curso.

“Não queríamos saber sobre a demanda pelos cursos, mas sim entender o impacto deles no mercado de trabalho. Por isso, não consideramos quem estava fazendo o curso na época da pesquisa, mas somente os que já haviam pelo menos passado por um, mesmo sem ter se formado”, explicou Neri.

 

Outro dado que chama a atenção no estudo refere-se aos ganhos dos que têm formação: 12,9% mais altos dos que não têm. Turismo e indústria automobilística registram alto grau de profissionalização entre quem atua nessas áreas.

 

Os Estados com maior proporção de pessoas com educação profissional são o Distrito Federal, Paraná e Rio Grande do Sul. Os que têm menor índice são Alagoas, Pernambuco e Maranhão. O rendimento de quem tem formação profissional também difere entre os Estados.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.