Filha do ministro diz que MEC quer "comprar vagas"

A proposta do Ministério da Educação de lançar mão de vagas ociosas em universidades privadas abriu o primeiro embate entre o ministro da Educação, Tarso Genro, e sua filha, a deputada Luciana Genro (sem partido-RS). Nesta quinta-feira, no lançamento da Frente Parlamentar de Defesa da Universidade Pública na Câmara, Luciana criticou a ?compra de vagas? nas instituições.?A proposta do ministro ainda não está clara, mas está muito próximo do que podemos considerar compra de vagas?, disse Luciana. ?Em vez de aplicar recursos na universidade pública e no crédito educativo, o governo coloca nas instituições privadas, que têm administração pouco confiável, critério duvidoso de distribuição de bolsas e ensino de baixa qualidade?, afirmou.Diálogo pai-filhaA idéia do governo é usar 100 mil vagas ociosas em universidades privadas e filantrópicas para destiná-las a alunos de baixa renda, negros e ex-detentos. Luciana e a senadora Heloísa Helena (AL), também expulsa do PT em 2003, são coordenadoras da frente parlamentar.Pai e filha já tiveram divergências políticas no passado. ?O fato de o ministro ser meu pai pode gerar dificuldade pessoal, que vai se dar no âmbito privado. Mas do ponto de vista político vamos manter o diálogo sempre que possível e vamos para o enfrentamento quando for inevitável?, diz Luciana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.