Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

FHC recebe Prêmio Professor Emérito 2018

'Para ser professor, é fundamental despertar paixão no aluno pelo saber', disse o ex-presidente, no evento de entrega da premiação, em São Paulo

Juliana Diógenes, O Estado de S.Paulo

17 Outubro 2018 | 12h45

SÃO PAULO - O professor, sociólogo e ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), de 87 anos, recebeu nesta quarta-feira, 17, o Prêmio Professor Emérito 2018 - Ruy Mesquita, em parceria entre o Centro Integração Empresa-Escola (CIEE) e o Estado.

Criado para marcar o Dia do Professor, o prêmio é concedido anualmente desde 1997 a educadores que contribuíram com a educação brasileira e o País, criando e compartilhando conhecimento. FHC é o 22° homenageado. A primeira personalidade premiada foi a socióloga e professora Ruth Cardoso, ex-mulher de FHC. No ano passado, a premiação foi dada ao professor e ex-ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (2003-2006) Roberto Rodrigues. 

FHC é sociólogo, cientista político, professor universitário e escritor. Graduou-se em Ciências Sociais na Universidade de São Paulo (USP), onde atuou como professor titular entre 1950 e 1980, recebendo posteriormente o título de docente emérito. Ensinou em universidades estrangeiras, em países como França, Inglaterra e Estados Unidos. Recebeu ao todo 29 títulos de doutor honoris causa. Quando presidente, criou os programas Toda Criança na Escola e Bolsa Escola. É membro da Academia Brasileira de Letras e autor de mais de 20 livros.

No discurso, o ex-presidente agradeceu o prêmio e disse se sentir "tocado" por receber uma homenagem que leva o nome de Ruy Mesquita, de quem foi colega na universidade. "Esse prêmio é um reconhecimento. Estou muito emocionado", afirmou. 

O sociólogo disse que a sua maior motivação sempre foi ser professor. "Me sinto gratificado quando estou com gente jovem e consigo trocar experiências", declarou. "Para ser professor, é fundamental despertar  paixão no aluno pela curiosidade e pelo saber", disse o homenageado. "Professor tem que despertar a paixão pelo saber e não desperta se ele próprio não tiver paixão pelo conhecimento." 

FHC exaltou a ex-mulher e socióloga Ruth Cardoso, afirmando que ela se dedicava ao aluno e tinha "um cuidado quase natural", "uma paciência" para o ensino.

Ruth foi mencionada também por Antonio Jacinto, presidente do Conselho de Administração do CIEE. O tema da premiação foram os Desafios da Educação do século 21. "Ruth criou o Conselho da Comunidade Solidária, programa que deu grande impulso na redução do analfabetismo", destacou. Segundo Jacinto, ela e FHC são professores que "fazem parte da boa história do Brasil."

 

Confira todos os premiados

1997 - Ruth Cardoso, antropóloga

1998 - Miguel Reale, jurista e ex-reitor da USP

1999 - Esther de Figueiredo Ferraz, jurista e ex-ministra da Educação

2000 - Luiz Décourt, cardiologista da USP

2001 - José Pastore, sociólogo da USP

2002 - Hélio Guerra, pioneiro em tecnologia e ex-reitor da USP

2003 - Antonio Candido, escritor e crítico literário

2004 - Paulo Vanzolini, zoólogo e compositor

2005 - Paulo Nogueira Neto, professor e ambientalista

2006 - Crodowaldo Pavan, biólogo geneticista

2007 - Ives Gandra da Silva Martins, tributarista

2008 - Evanildo Bechara, filólogo e da Academia Brasileira de Letras

2009 - Adib Jatene, médico e ex-ministro da Saúde

2010 - José Cretella Junior, jurista e gramático

2011 - Angelita Habr-Gama, especialista em cirurgia

2012 - Delfim Netto, economista e ex-ministro da Fazenda

2013 - William Saad Hossne, especialista em bioética

2014 - José Goldemberg, físico, ex-ministro e ex-reitor da USP

2015 - Celso Lafer, professor, jurista e ex-ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio

2016 - Rubens Ricupero, professor e embaixador

2017 - Roberto Rodrigues, professor e ex-ministro da Agricultura

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.