FGV recria a arte da seleção

Quando criou curso de direito, universidade decidiu ir em busca de alunos capazes não só de aplicar leis, mas também de concebê-las

Sergio Pompeu,

30 de abril de 2009 | 01h02

SÃO PAULO - "Não dá para aprender Direito para daí olhar o mundo. O Direito é uma construção humana para lidar com a realidade." A definição do coordenador de Metodologia José Garcez Ghirardi, de 46 anos, sintetiza o espírito que guiou a criação do curso de Direito da Fundação Getúlio Vargas, em 2004.

A proposta já nasceu ambiciosa. A primeira turma, que se forma agora em 2009, estudou em período integral durante três dos cinco anos do curso. Estudar, nesse caso, não é repassar códigos página por página ou catalogar leis. "Nosso foco são as áreas de negócios, institucional e pesquisa. Mas queremos formar protagonistas, gente com autonomia intelectual para construir novas soluções jurídicas", diz a coordenadora de Graduação, Adriana Ancona Lopes.

Isto posto, como selecionar 50 alunos todos os anos? Alunos capazes de encarar uma carga brutal de leituras e um curso que foge do senso comum. Tem essa abordagem "metalinguística", de olhar o Direito meio a distância, tentando entender como ele é construído. A grade tem disciplinas como crime e sociedade, direito e desenvolvimento, arte e direito.

Arte e direito? Sim. A relação não se limita à oficina comandada pelo professor Garcez. O exame de artes visuais e literatura tem na primeira fase o mesmo peso 1 das provas de inglês, história, geografia e matemática. Só perde para redação, com peso 2.

O exame de artes tem uma relação de livros, como os vestibulares tradicionais. Mas também listas de filmes e obras de arte. "Valorizamos o background cultural", afirma Adriana.

Nessa valorização, explica, entra outro componente, filosófico, sobre o modo de encarar o Direito. "Assim como Direito é um código, a arte é a expressão de um código do mundo", diz Adriana. "Metalinguagem", de novo.

A segunda fase do vestibular remete a outro ponto já abordado por Adriana, o da intenção de formar protagonistas. Tem um quê de dinâmica de grupo. São só provas orais. Nelas, os alunos são chamados, individualmente e em grupo, a discutir temas da atualidade. São analisados pela qualidade e profundidade dos argumentos, mas também pelo espírito de liderança e de interação com os colegas, tarefa a cargo de psicólogos que acompanham os debates.

Adriana não esconde a ansiedade em relação à formatura da primeira turma do curso, para acompanhar seu desempenho no mercado. Mas os sinais colhidos na avaliação dos estagiários - alunos do 4º ano em diante - são animadores. "Eles são vistos como alguém com grande capacidade de pensar questões jurídicas", diz Adriana. "Na última triagem, tivemos 86 vagas de estágio para 39 alunos."

UM VESTIBULAR DIFERENTE: Prova de Artes Visuais e Literatura

LITERATURA

A Poesia Lírica e Satírica, de Gregório de Matos

Memórias de um Sargento de Milícias, de Manuel Antônio de Almeida

Iracema, de José de Alencar

Dom Casmurro, de Machado de Assis

Vidas Secas, de Graciliano Ramos

A Metamorfose, de Franz Kafka

As Cidades Invisíveis, de Italo Calvino

Poesias de Álvaro de Campos, de Fernando Pessoa

A Rosa do Povo, de Carlos Drummond de Andrade

Sagarana, de João Guimarães Rosa

Ensaio sobre a Cegueira, de José Saramago

ARTES PLÁSTICAS

Obras Nacionais

O Grito do Ipiranga - Independência ou Morte (1888), de Pedro Américo, coleção Museu Paulista

Elementos de Tipografia (1952), de Geraldo de Barros, coleção Pinacoteca do Estado

Metaesquema II (1958), de Hélio Oiticica, coleção MAC-USP

Bicho (1960), de Lygia Clark, coleção família Clark

Obras Estrangeiras

Retrato de El-Rei Dom João VI (1817), de Jean-Baptiste Debret, coleção Museu Nacional de Belas Artes

Banco de Pedra no Asilo de Saint-Remy (1889),de Van Gogh, coleção Masp

Canoa sobre o Epte (1890), de Claude Monet, coleção Masp

Banhista enxugando a perna direita (1910), de Pierre Auguste Renoir, coleção Masp

CINEMA

Filmes Nacionais

Cidade de Deus, de Fernando Meirelles (2002)

Lisbela e o Prisioneiro, de Guel Arraes (2003)

Cinema, Aspirinas e Urubus, de Marcelo Gomes (2005)

O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias, de Cao Hamburger (2006)

Filmes Estrangeiros

A Conquista da Honra e Cartas de Iwo Jima, de Clint Eastwood (2006)

O Show de Truman, de Peter Weir (1998)

EXAME ORAL

Os 300 candidatos aprovados para a segunda fase são divididos em 30 grupos de dez estudantes. Nos exames, cada candidato recebe um subtema e tem 5 minutos para apresentar uma exposição individual. Esta é a 1ª etapa. Na 2ª etapa, o grupo prepara coletivamente uma exposição sobre um tema e escolhe uma pessoa para apresentá-la. Enquanto isso, outro grupo de dez candidatos faz o mesmo. Na 3ª etapa, dois grupos debatem o tema. Psicólogos acompanham cada passo do trabalho, analisando questões como profundidade da argumentação, capacidade de liderança, clareza, capacidade de convencimento e de neutralizar argumentos contrários.

ETAPA 1

Subtema 1: A bandeirinha Ana Paula Oliveira foi afastada dos gramados por longo tempo pela CBF por ter cometidos erros em algumas partidas. Você acredita que, caso se tratasse de um homem, a CBF o puniria com o mesmo rigor?

ETAPA 2

Tema: Preconceito

Tese I: Zombar de uma pessoa muito branca por causa da cor de sua pele é um ato de racismo.

Tese II: Zombar de uma pessoa muito branca por causa da cor de sua pele não é um ato de racismo.

ETAPA 3

Debates entre os grupos

Tudo o que sabemos sobre:
pontoedu

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.