Federais terão autonomia para definir cotas

As universidades federais terão autonomia para definir os critérios de seleção de alunos na política de cotas para negros e pobres, que o governo deverá adotar ainda este ano por medida provisória. O texto da MP está praticamente pronto, disse nesta quinta-feira o ministro da Educação, Tarso Genro, após participar da 7.ª Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios.Tarso afirmou que cada universidade poderá regulamentar individualmente o sistema de cotas. A idéia é apenas ter uma regra geral, em que os critérios para preenchimento das vagas levem em conta não apenas a questão racial, mas a sócio-econômica.Tarso entende que a exclusão, no Brasil, está associada também à pobreza. Assim, o objetivo é estimular a adoção de critérios que levem emconta a situação sócio-econômica do estudante.Até porque, segundo esse raciocínio, não faria sentido beneficiar um negro rico em detrimento de um branco pobre.

Agencia Estado,

18 de março de 2004 | 18h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.