Marcos Oliveira/Agência Senado
Marcos Oliveira/Agência Senado

Falência de gráfica do Enem e crise no MEC causa apreensão entre alunos

Estudantes que farão exame em 2019 citam receio de mudanças no calendário e conteúdo; coordenadores de curso tentam tranquilizá-los

Ana Paula Nieredauer e Tulio Kruse, O Estado de S.Paulo

01 de abril de 2019 | 19h24

A falência da gráfica cotratada para imprimir as provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) em 2019, somada à série de demissões no Ministério da Educação (MEC) nos últimos meses, trouxe preocupações aos estudantes que pretendem realizar o exame. Em colégios e cursos pré-vestibular, o maior receio é pelo receio de mudanças no calendário e no conteúdo. Coordenadores de curso têm se esforçado para tranquilizar os alunos. 

Para Lucas Miranda, de 19 anos, que pretende cursar Direito, as sucessivas notícias de mudanças no MEC trazem insegurança para os jovens que pretendem fazer o Enem este ano. “A qualquer momento pode acontecer alguma coisa. Eu tenho medo, por exemplo, que o governo baixe um decreto tirando a efetividade do Sisu (Sistema de Seleção Unificada). Isso me preocupa”, conta Miranda.

Já a estudante Crislânia Silva de Lima, de 18 anos, aluna de um curso pré-vestibular para Fisioterapia, disse que acompanha as mudanças no MEC. Sua maior preocupação é em relação aos impactos no calendário do Enem 2019.

“Ficamos de olho nas informações. Pode ser que tenham que diminuir gastos com provas e isso pode resultar em diminuir um dia de exame, por exemplo, o que prejudicaria o estudante já que temos dois domingos de prova”, disse Crislânia. 

Em 2017, o exame foi realizado em dois domingos consecutivos pela primeira vez. A mudança foi avaliada positivamente pelos alunos. O calendário divulgado pelo para 2019, até o momento, mantém o formato: as provas devem ocorrer nos dias 3 e 10 de novembro. 

A estudante Luiza Buscatti, de 18 anos, aluna de um curso pré-vestibular para Economia, se preocupa mais com a possibilidade de interferência no conteúdo da prova, após o MEC criar uma comissão para verificar a "pertinência" de questões do exame. "Acredito que por esse viés mais conservador do governo, a prova vai ser totalmente diferente e não vai seguir uma linha como nos outros anos. O MEC está muito inconstante e eu me sinto insegura", diz Luiza.

Edital

O diretor do Cursinho da Poli, Gilberto Alvarez, lembra que o edital e a relação de conteúdos de referência do Enem já foram publicados, e que nenhuma mudança drástica na orientação para o conteúdo da prova ocorreu até o momento. Ele conta que nenhuma alteração de currículo ou material didático foi feita nos cursos preparatórios. 

“Nós temos de tranquilizar os alunos”, diz Alvarez. Sobre o conteúdo das provas, ele diz que não há motivo para mudanças drásticas. “O Enem não é uma política de governo, é uma política de Estado. Ele tem 30 anos.”, não mudou.

Para ele, a aplicação do Enem exige cumprimento “absolutamente rigoroso” do calendário e, na sua opinião, a falência da empresa responsável pelas provas pode acarretar em atrasos. “Isso me preocupa enormemente porque, por mais que o governo faça um edital emergencial para trocar a gráfica, o risco de o calendário não ser cumprido é muito grande.”

Já o diretor da Associação Brasileira de Escolas Particulares (Abepar), Arthur Fonseca, diz que a falência da gráfica seria um problema menor se o MEC não tivesse passado por um período de demissões e disputas internas. Ele classifica como “desastre” qualquer atraso no calendário, mas não descarta essa hipótese. “O problema não é exclusivamente a falência (da gráfica), e sim a falência no momento em que há um problema sério de organização no MEC”, ele diz.

O coordenador do Anglo Vestibulares, Daniel Perry, disse que os alunos da instituição estão sendo bem informados sobre toda a crise que envolve o MEC e que por enquanto não há mudanças significativas para o Enem 2019.

"A nossa preocupação principal é em relação a parte pedagógica e nesse sentido não houve nenhuma sinalização de mudanças significativas", explicou Perry. 

Para Perry, o grande medo do estudante é que chegue alguma notícia de mudança radical, como por exemplo a mudança nos dias de prova. "Mudanças como passar para um dia de exame e número de questões poderiam deixar o aluno apavorado. Mas estamos acalmando os estudantes nesse sentido", disse Perry.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.