Faculdade de Osasco cederá prédio à Unifesp

Alunos e professores da Fac-Fito dizem que não foram informados da transferência; prefeitura afirma que anexo será construído

Mariana Mandelli, O Estado de S. Paulo

16 Abril 2010 | 09h42

A chegada da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) a Osasco, região metropolitana paulista, está provocando polêmica. Sem câmpus definitivo e com início das aulas em 2011, a Unifesp vai ocupar o prédio da Faculdade de Ciências da Fundação Instituto Tecnológico de Osasco (Fac-Fito). Mas, até agora, alunos e professores da Fac-Fito não foram informados da situação.

 

"O prefeito (Emidio de Souza, do PT) procurou a Unifesp interessado em que iniciássemos as atividades lá o quanto antes", explica o pró-reitor de graduação da Unifesp, Miguel Jorge. O projeto oficial da universidade deve funcionar em um terreno de 220 mil m2, vendido ao Ministério da Educação pelo Ministério da Defesa. No entanto, não há previsão para o início das obras.

 

Em entrevista ao Estado em março, o reitor Walter Albertoni afirmou que a Unifesp não iniciaria obras enquanto as que estão em andamento não fossem concluídas. Albertoni também disse que o câmpus de Osasco só iria "sair agora porque o prefeito ofereceu um prédio pronto".

 

A ideia é que a Unifesp funcione provisoriamente no prédio da Fac-Fito, mantida por uma fundação pública de administração indireta da Prefeitura de Osasco. No entanto, o tempo exato de concessão ainda está em negociação.

 

Segundo Jorge, é provável que as primeiras turmas da Unifesp - 250 alunos de cinco graduações - se formem ainda estudando no prédio da Fac-Fito. De acordo com ele, o prédio da faculdade precisa de reparos e o ideal seria que o imóvel fosse cedido à Unifesp já no segundo semestre.

 

Obras. Procurada pela reportagem, a Fac-Fito se pronunciou por meio de nota da Prefeitura de Osasco. O texto afirma que a faculdade não será desativada e que "estão sendo iniciadas as obras de construção de um anexo", que ficará no mesmo complexo da Fac-Fito, para abrigar os estudantes. A pasta não sabe quando anunciará as mudanças aos alunos e professores.

 

A Fac-Fito conta com 1.061 alunos de seis graduações. A fundação que mantém a faculdade tem uma dívida de cerca de R$ 80 milhões. Estudantes e docentes ouvidos pelo Estado afirmam que a faculdade está abandonada. "Estudei aqui em 2003 e é incrível como a faculdade perdeu estudantes", conta Joelma Ramalho, de 28 anos, hoje aluna de Ciências Contábeis.

 

Os universitários e docentes ficaram sabendo da transferência pela imprensa local. "Ninguém nos procurou. Não somos contrários à Unifesp, mas a Fac-Fito não pode ser desalojada", afirma Guaçu Piteri, professor e fundador da faculdade. "É tudo jogo político."

 

Para eles, a Fac-Fito está em crise porque a prefeitura não investe em divulgação. Segundo os professores, o vestibular deste ano foi promovido com a doação de dinheiro dos docentes.

 

Inicialmente, o câmpus da Unifesp em Osasco terá cinco graduações: Economia, Administração, Relações Internacionais e Ciências Contábeis. O vestibular deve ocorrer no fim deste ano.

 

A expansão da Unifesp faz parte da Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (Reuni), do governo federal. Nos últimos quatro anos, a universidade multiplicou por seis o número de alunos - eram 1.150 e hoje são 7 mil. Atualmente, a Unifesp conta com seis câmpus: na capital, Santos, Diadema, Guarulhos, São José dos Campos e Osasco - que já conta como unidade porque o projeto foi aprovado. Em Santos, a primeira turma está se formando, mas o prédio ainda não está pronto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.