Exército e o Ministério do Trabalho vão capacitar recrutas carentes

O Exército e o Ministério do Trabalho vão oferecer, a partir de setembro, cursos profissionalizantes para 11 mil recrutas do serviço militar obrigatório. O programa Soldado Cidadão foi lançado ontem pelos ministros José Viegas (Defesa) e Jaques Wagner (Trabalho).A meta no ano que vem é atingir 100 mil jovens carentes, mobilizando também a Marinha e a Aeronáutica - beneficiando aí não só recrutas, mas parte dos dispensados do serviço militar, que deverão receber bolsa de R$150 para se qualificar.Qualificação"Toda a estrutura das Forças Armadas passa a ser oferecida também como espaço de qualificação profissional. Esse é o elemento barateador do curso", explicou Wagner. O investimento este ano será de R$4,5 milhões. Para 2004, é preciso ainda assegurar recursos no Orçamento. Estimativas preliminares mostram que cerca de R$ 30 milhões podem ser suficientes.Viegas enfatizou o caráter social do programa, que vai selecionar os beneficiados segundo a sua situação socioeconômica. Os cursos serão gratuitos tanto para os recrutas, já este ano, quanto para soldados e civis, no ano que vem. "A idéia é oferecer opções para evitar que esses jovens sejam cooptados por atividades do mal", disse o ministro da Defesa.ÁreasHaverá cursos nas áreas de telecomunicações, mecânica de veículos, alimentos, construção civil, artes gráficas, confecção, eletricidade, comércio, comunicação, informática e saúde, entre outras. A Fundação Cultural do Exército Brasileiro será a coordenadora executiva do programa, uma das ações do projeto Primeiro Emprego.O Exército cederá instalações e monitores - da mesma forma que a Marinha e a Aeronáutica, no ano que vem -, enquanto o Ministério do Trabalho, o Senai, o Senac e outras escolas profissionalizantes vão ceder professores.O programa piloto deste ano será lançado em seis Estados, além do Distrito Federal. São eles: São Paulo, Rio, Minas, Rio Grande do Sul, Bahia e Pernambuco.

Agencia Estado,

22 de julho de 2003 | 12h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.