TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Questões de exatas foram o desafio do 2º dia da Fuvest, dizem professores

Para professores de cursinho, as questões de Matemática e Física tiveram alto grau de dificuldade

Isabela Palhares e Victor Vieira, O Estado de S. Paulo

09 Janeiro 2017 | 21h26

SÃO PAULO - A prova desta segunda-feira, 9, da segunda fase da Fuvest foi considerada "trabalhosa" e com alto grau de dificuldade nas disciplinas de exatas pelos professores de cursinhos pré-vestibular. Com 16 questões, a prova deste segundo dia aborda todas as matérias do núcleo comum do Ensino Médio (História, Geografia, Matemática, Física, Química, Biologia, Inglês). 

Paulo Moraes, diretor de ensino do Anglo, disse que houve um contraponto em relação à primeira fase, em que a parte de humanas havia sido mais difícil. E, agora, a de exatas é que teve uma complexidade maior. "As questões de matemática, física, química tinham cara de uma prova específica e não de conhecimentos gerais. Foi uma prova muito difícil para os candidatos de humanas", disse. 

Para Edmilson Motta, coordenador geral do colégio Etapa, as questões de exatas estavam mais difíceis do que em anos anteriores e com pouca interdisciplinaridade. "Não houve uma preocupação em fazer uma prova interdisciplinar nessa área. Mas, na área de humanas, houve uma integração maior", disse. 

Ele citou como bom exemplo de interdisciplinaridade uma questão que exigia conhecimentos de história e literatura ao propor que o aluno comparasse e caracterizasse os poemas de Oswald de Andrade e Gonçalves Dias. 

Motta destacou que Matemática só foi cobrada em uma questão com alto grau de dificuldade. "É uma maldade, especialmente com os alunos da área de humanas, que só tiveram a opotunidade de responder uma questão de matemática na segunda fase".

Para a coordenadora do curso Objetivo, Vera Lucia Antunes, a prova desta segunda-feira teve dificuldade média para alta e acredita que a prova exigiu do aluno a capacidade de relacionar conteúdos de disciplinas diferentes em uma mesma questão. "O aluno que sabia ou só decorou o conteúdo, teve dificuldades. A Fuvest exige que ele explique e saiba relacionais conceitos", disse. 

"De forma geral, o segundo dia teve nível de dificuldade médio. Não havia conteúdos que surpreendessem o candidato", afirma Saray Azenha, diretora pedagógica do curso Oficina do Estudante. Segundo ela, houve boa cobrança de atualidades, conectada aos conteúdos de sala de aula, e perguntas diretas, com cálculos simples e enunciados curtos. 

Abstenção. O segundo dia de provas teve 2.011 candidatos ausentes do total de 22.689 - índice de abstenção de 8,8%. No primeiro dia, 1.933 haviam faltado - 8,4% do total. 

Nesta terça-feira, 10 ,será o último dia de provas, são 12 questões de duas ou três disciplinas, a depender da carreira escolhida. Entre os dias 11 e 13 de janeiro serão realizados os testes de habilidade específica.  O candidato que zerar em uma das provas estará eliminado do vestibular. 

A primeira lista de aprovados será divulgada  no dia 2 de fevereiro no site da Fuvest. A matrícula será em duas etapas: apenas no site da Fuvest, nos dias 6 e 7 de fevereiro de 2017, e presencial (obrigatória) nos dias 13 e 14 de fevereiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.