Ex-reitor da Uergs vai brigar por cargo na Justiça

Os cargos de direção da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (Uergs) serão disputados na Justiça nos próximos meses. A exoneração do reitor José Clóvis de Azevedo e quatro pró-reitores nomeados em 2001 pelo governo anterior, de Olívio Dutra (PT), abriu a primeira polêmica entre o governo de Germano Rigotto (PMDB) e a oposição. Os demitidos reagiram e qualificaram a decisão de Rigotto como "uma intervenção que fere a tradição da autonomia universitária". Também prometeram recorrer ao Judiciário para contestar a decisão.O governador, que nomeou o professor Nelson Boeira (PMDB) para a reitoria, argumentou que os diretores exonerados estavam nos cargos para exercer mandatos de até três anos e não necessariamente de três anos completos. Além disso, lembrou que Azevedo e sua equipe não haviam sido escolhidos pela comunidade universitária, mas somente nomeados pelo governo anterior.

Agencia Estado,

13 de janeiro de 2003 | 18h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.