Ed Ferreira/AE
Ed Ferreira/AE

Ex-presidente do Inep assume vaga no Conselho Nacional de Educação

Reynaldo Fernandes vai ocupar uma cadeira a partir de junho, por quatro anos

Agência Brasil

30 de maio de 2010 | 12h52

BRASÍLIA - O ex-presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) Reynaldo Fernandes vai ocupar uma cadeira no Conselho Nacional de Educação (CNE) a partir de junho. Foi publicada na sexta-feira, 28, no Diário Oficial da União, a lista dos novos membros do colegiado que assumirão um mandato de quatro anos.

 

Três atuais conselheiros da Câmara de Educação Básica (CEB) foram reconduzidos ao cargo. Mozart Neves Ramos, que é presidente do Movimento Todos pela Educação e professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE); Regina Vinhaes Gracindo, professora da Universidade de Brasília (UnB); e Maria Izabel Noronha, presidente do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp).

 

Os novos membros que se juntam à CEB são Nilma Lino Gomes, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), e Rita Gomes do Nascimento, da Secretaria de Educação do Ceará. Nilma é especialista em diversidade etnorracial e Rita trabalha com educação escolar indígena.

 

Além de Reynaldo Fernandes, mais quatro novos membros passam a compor a Câmara de Educação Superior (CES). Arthur Roquete de Macedo, que já foi integrante do CNE e reitor da Universidade Estadual Paulista (Unesp); Gilberto Gonçalves Garcia, ex-presidente da Associação das Universidades Comunitárias (Abruc); Luiz Antonio Constant Rodrigues da Cunha, professor da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); e Paschoal Laércio Armonia, diretor do Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Paulista (Unip).

 

Os membros do CNE são escolhidos pelo presidente Lula e pelo ministro da Educação, Fernando Haddad. Entidades do setor educacional indicam até três nomes para cada câmara. A partir dessa lista, são selecionados os futuros conselheiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.