Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Estudantes vão poder votar em enquete para nova data do Enem, que pode ficar para 2021

Entre os períodos possíveis para a realização da prova estão dezembro deste ano e janeiro e maio do ano que vem

Redação, O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2020 | 15h11

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, anunciou em uma rede social que a nova data do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) poderá ser definida através de uma enquete com candidatos ao exame. Ele publicou em sua conta no Twitter que a enquete acontecerá entre os dias 20 e 30 de junho. Segundo ele, as datas possíveis seriam 6 e 13 de dezembro, 10 e 17 de janeiro, e 2 e 9 de maio.

A escolha das datas ocorrerá na própria página do Enem e apenas os estudantes que vão participar da prova poderão optar pela data, usando o CPF e a senha que consta no cadastro de cada um. "A iniciativa é importante para dar oportunidade aos interessados de sugerirem o melhor período para a realização das provas e garantir transparência", explicou em nota o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), que é responsável pelo exame.

"Entre os dias 20 e 30 de junho, os inscritos terão três opções de datas para votar, distribuídas entre os meses de dezembro deste ano, janeiro ou maio de 2021, considerando o adiamento das provas em 30, 60 ou 180 dias das datas previstas em edital", afirmou o Inep, indicando as seguintes datas:

  • Enem impresso: 6 e 13 de dezembro de 2020 / Enem digital: 10 e 17 de janeiro de 2021;
  • Enem impresso: 10 e 17 de janeiro de 2021 / Enem digital: 24 e 31 de janeiro de 2021; ou
  • Enem impresso: 2 e 9 de maio de 2021 / Enem digital: 16 e 23 de maio de 2021.

Mudanças

O Enem estava marcado inicialmente para novembro, mas foi adiado, ainda sem data definida, por causa da pandemia de coronavírus. As escolas estão fechadas no Brasil para o ensino presencial e muitos estudantes não teriam como se preparar adequadamente para a prova. O estudante tem até esta quarta-feira, 10, para pagar sua taxa de inscrição.

"Principal porta de entrada para cursos do ensino superior, em universidades públicas e privadas, o Enem deste ano contou com mais de 6 milhões de inscritos, sendo que a maioria (65%) indicou que já havia concluído o ensino médio em anos anteriores. Outros 23% estão no terceiro ano e 12% são 'treineiros', estudantes que fazem a prova para testar conhecimentos", disse o Inep.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.