Estudantes tentam agredir ministro da Educação

Faltou pouco para o ministro da Educação, Cristovam Buarque, ser agredido fisicamente por estudantes, hoje em Goiânia, onde participou da reunião do conselho dos Centros Federais de Educação Tecnológica (Cefet).Estudantes cercaram o carro do ministro, colocaram faixa no pára-brisa para impedir a visão do motorista e deitaram-se na pista para bloquear a passagem. Seis deles subiram no carro, onde estava o ministro, e sapatearam na lataria. Cristovam saiu do carro, dizendo: ?vamos conversar?. Sem sucesso. Um dos manifestantes tentou dar um chute no ministro, mas não o alcançou.Os estudantes, aos gritos, acusavam o ministro de querer privatizar as universidades e ser um ?profissional da enganação, a serviço do Banco Mundial e dos Estados Unidos?. Segundo a assessoria do ministro, os manifestantes seriam integrantes do Movimento Estudantil Popular Revolucionário - Estudantes do Povo. Quando o ministro chegou para a reunião, um grupo iniciou as agressões verbais.Por intermédio da assessoria, Cristovam disse que conversaria com uma comissão assim que acabasse a reunião. Mas eles não aceitaram as condições. Cada um queria falar pelo menos por 20 minutos. O ministro, que tinha compromisso em seguida na Universidade Federal de Goiás, não concordou. Quando saiu do prédio teve de enfrentar o protesto agressivo. Cristovam conseguiu sair do local em um carro do prefeito Pedro Wilson e com ajuda da patrulha de trânsito. A polícia apareceu depois para acabar com a confusão.Poucas horas após o incidente, a União Nacional dos Estudantes (UNE) divulgou uma nota condenando agressão ao ministro. Segundo a assessoria da UNE, os responsáveis pelo ato não são ligados à entidade. A nota diz que a UNE defende o diálogo com o MEC para solucionar problemas das universidades. ?Nesse sentido acreditamos que as manifestações devem acontecer respeitando a democracia e precisam ser políticas?, diz o texto, assinado pelo presidente da entidade, Felipe Maia.

Agencia Estado,

16 de maio de 2003 | 19h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.