TIAGO QUEIROZ/ESTAD?O
TIAGO QUEIROZ/ESTAD?O

Estudantes têm água e luz cortadas durante ocupação no Paraná

Entrega de alimentos também foi restringida. Polícia Militar cercou o prédio e acompanha, do lado de fora, a situação no local

Julio Cesar Lima, Especial para o Estado

01 Novembro 2016 | 16h50

CURITIBA - Os cerca de 100 estudantes, segundo o Movimento Ocupa Paraná, que estão no Núcleo Regional de Educação, em Curitiba, tiveram a água, luz e comida cortadas entre as 10 e 15 horas. Nesse período, a Polícia Militar cercou o prédio, localizado no bairro São Francisco, próximo à área central da capital e onde funciona também o Paraná Previdência – órgão de previdência do Estado -, mas sem autorização judicial precisou ficar do lado de fora.

Em Curitiba, 20 das 25 escolas que estavam ocupadas foram liberadas e o número de colégios ocupados no Paraná caiu para 301. Durante a tarde, dezenas de manifestantes também bloquearam as ruas próximas ao Núcleo. 

No começo da tarde, a Procuradoria Geral do Estado (PGE) encaminhou para a juíza da 5.ª Vara da Fazenda, Patrícia Almeida, a solicitação para reintegração de posse do Núcleo. Com relação às provas do Enem, o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) informou por meio de coletiva, em Brasília (DF), que os alunos que não puderem realizar as provas nos dias 5 e 6 de novembro por causa das ocupações poderão fazer nos dias 3 e 4 de dezembro. A medida vai atingir 191.400 alunos no país.

No início das ocupações, no começo de outubro, havia 145 colégios ocupados e que serviriam de base para as provas, mas este número deve ser atualizado até o final do dia pelo instituto. Segundo a presidente do Inep, Maria Inês Fini, a situação no Paraná deverá ser resolvida pelo governo estadual. “Não cabe ao Inep ou ao MEC dar alguma orientação ao governo acerca do que está acontecendo”, avaliou.

Liminar. O Núcleo foi liberado às 19h50 desta terça-feira, 1º. A Procuradoria Geral do Estado (PGE) conseguiu a liminar para reintegração de posse do local, autorizado pela juíza da 5ª Vara da Fazenda, Patrícia Almeida, mas os estudantes – cerca de 100 segundo o Movimento Ocupa Paraná e 45 pela PM – aguardaram a chegada de um oficial de justiça para saírem. A desocupação foi realizada de forma pacífica. Além disso, havia a ameaça de um pagamento de R$ 10 mil de multa diária caso o local não fosse liberado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.