Estudantes reconstroem digitalmente monumentos históricos destruídos durante guerras
Conteúdo Patrocinado

Estudantes reconstroem digitalmente monumentos históricos destruídos durante guerras

Em uma parceria com a Unesco e a Microsoft, os estudantes do 6° ano do Ensino Fundamental do Colégio Visconde de Porto Seguro usam tecnologia e história para reconstruir digitalmente monumentos destruídos em guerras

Media Lab Estadão, Colégio Visconde de Porto Seguro
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

16 de outubro de 2019 | 14h03

Criar uma nova maneira de transformar o passado por meio de uma ferramenta interativa e divertida – o Minecraft. É dessa forma que os alunos do 6° ano do Ensino Fundamental do Colégio Visconde Porto Seguro têm ajudado a reconstruir monumentos históricos destruídos pelas guerras antigas e atuais.

Desenvolvido pela Microsoft em parceria com a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura), o projeto History Blocks (história em blocos, na tradução para o português), utiliza o jogo de computador Minecraft para essa reconstrução. O nome é uma menção à forma como a construção é realizada dentro do jogo (encaixe de blocos) e mescla a interatividade da tecnologia com pesquisas históricas e desafios de geometria e lógica.

Segundo Francisco Tupy, professor de Letramento Digital e Mentor Global do Minecraft, o History Blocks é um projeto interdisciplinar que, apesar do nome, não envolve só história, mas diversas outras disciplinas, pesquisa e muito trabalho em grupo. “Vejo esse projeto como algo transversal: ele tem matemática porque envolve proporção, contempla artes pela questão estética, usa a sociologia porque contempla muitos povos manifestam sua cultura por meio das construções, além é claro da concentração e conscientização dos alunos sobre a temática. Posso dizer que eles estão orgulhosos de ter um trabalho com esse propósito”, explica.

A proposta é reconstruir os monumentos, mas antes eles deverão ser cuidadosamente estudados, com uma compreensão de suas formas geométricas e proporções na vida real. A intenção é que os alunos aprendam sobre as construções e compreendam o seu valor. Entre as reconstruções que fazem parte do projeto estão a Mesquita de Al Noori (Iraque), o Templo de Bel (Síria), o Monastério de Sant Elian (Síria), o Buda de Bamiyan (Afeganistão), o Mausoléu Imam Awn al-Din (Iraque) e a entrada da cidade antiga de Alepo (Síria) – todas destruídas em conflitos recentes. Dentro da proposta desenvolvida no Colégio, os alunos escolheram quais construções estudar.

​Cultura e consciência

Imagine o que é para uma criança vivenciar pedaços da história e reconstruir monumentos milenares que fizeram parte da vida de milhares de pessoas. Foi essa a experiência que vivenciaram Carolina Porto e Vitória Ervati, alunas do 6° ano e ambas com 11 anos. “O projeto desenvolvido com o Minecraft foi uma maneira de conhecer e entender a importância de outras culturas. Usamos o Minecraft para nos divertir, mas foi muito legal ter o jogo para aprender e reconstruir algo que foi importante para outras pessoas. Eu fiz muita pesquisa para entender a história do monumento e como foi destruído”, conta Carolina. Já para Vitória, a parte mais marcante foi saber que a maioria das construções foi destruída pela guerra. “Reconstruindo esses monumentos, a gente percebe como os conflitos e a violência só levam à destruição. E isso não é uma coisa boa.”

“Acredito que esse projeto esteja nos ajudando a alcançar um dos objetivos do Colégio Visconde de Porto Seguro, que é a formação de cidadãos responsáveis e conscientes. O papel do professor é guiar o trabalho dos alunos e, quando um projeto se torna um objeto de encantamento, de motivação, ele abre portas para várias questões que estão fora dos muros da escola e leva o aprendizado para a vida”, pondera Tupy.

Mais de 90 países têm alunos que participam dessa iniciativa. Você pode conhecer mais sobre o projeto History Blocks no site https://education.minecraft.net/lessons/projeto-history-blocks/


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.