Estudantes que invadiram reitoria querem PM fora do câmpus

Eles também pedem a retirada de processos contra alunos, professores e funcionários

Estadão.edu

02 Novembro 2011 | 03h06

Em nota divulgada há pouco, estudantes que invadiram e ocuparam a reitoria da USP no início da madrugada desta quarta-feira pedem a proibição da entrada da Polícia Militar no câmpus e a retirada de processos contra alunos, professores e funcionários.

 

Confira a íntegra:

 

"NOTA SOBRE A OCUPAÇÃO DA REITORIA DA USP 01/11/2011

 

Na noite da última terça-feira, dia 01/11, a assembleia geral dos estudantes da USP deliberou por ampla maioria ocupar o prédio da  reitoria da universidade. Esta ocupação é uma continuidade da ocupação da administração da FFLCH, que será desocupada conforme deliberado no início da assembleia.

 

Entendemos que nossa luta está ligada com algo que ocorre em toda a universidade. Por isso, exigimos que o reitor João Grandino Rodas se pronuncie e atenda às nossas reivindicações.

 

Continuaremos a luta contra a repressão e mantemos, portanto, os eixos centrais do movimento:

 

- Revogação do convênio PM-USP! Fora PM!

- Revogação de todos os processos contra estudantes, professores e funcionários!

 

Esclarecimento: Durante a votação da segunda proposta da assembleia, a presidência da mesa declarou que o fórum estava encerrado sem consultar o plenário e abandonou a mesa mesmo com o pedido de continuidade por parte dos estudantes. Porém, a assembleia não se dissolveu. Centenas de estudantes continuaram a assembleia e elegeram uma nova presidência da mesa que encaminhou as demais propostas que haviam sido feitas, como a ocupação da reitoria."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.