Estudantes já podem se inscrever no programa Inglês sem Fronteiras

Nesta primeira etapa serão distribuídas 2 milhões de senhas de acesso; curso visa a capacitar candidatos a bolsas de intercâmbio no exterior

Agência Brasil,

05 Março 2013 | 22h57

Os estudantes de graduação e pós-graduação interessados em estudar inglês podem se inscrever na plataforma de ensino online do programa Inglês sem Fronteiras. O site entrou no ar nesta terça-feira, 5, e, na própria página, é possível preencher um formulário de inscrição. Nesta primeira etapa serão distribuídas 2 milhões de senhas de acesso.

 

As aulas são uma iniciativa do Ministério da Educação (MEC) e da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) com o objetivo desenvolver o nível de proficiência dos estudantes interessados em disputar uma bolsa do Ciência sem Fronteiras.

 

Podem concorrer estudantes de universidades públicas e particulares que tenham alcançado no mínimo 600 pontos no Enem, em alguma edição posterior a 2009. Assim que o perfil do inscrito for comprovado pela Capes, ele receberá a senha para acesso ao curso. Alguns estudantes já têm senha porque participaram da fase de testes do sistema.

 

O programa oferece diferentes tipos de apoio à aprendizagem do idioma inglês. O módulo online é elaborado pelo setor educacional da National Geographic Learning em parceria com a Cengage Learning.

 

O Inglês sem Fronteiras foi anunciado pelo ministro Aloizio Mercadante em dezembro do ano passado. Ele disse que a ideia é ampliar a oferta do curso de inglês pela internet aos estudantes do ensino médio e, posteriormente, incluir alunos do ensino fundamental. De acordo com o MEC, a meta é distribuir, ao todo, cerca de 5 milhões de senhas.

 

Segundo o MEC, a Mastertest, empresa credenciada no Brasil pela Educational Testing Service (ETS), fará a aplicação de 500 mil testes para verificar o nível de inglês dos alunos das universidades brasileiras. No Brasil, existem 250 mil testes prontos. Eles aguardam a finalização do sistema de inscrição para serem aplicados.

 

A partir do diagnóstico do nível de conhecimento do idioma, feito pela Mastertest, os alunos que alcançarem melhor resultado podem ser selecionados para cursos presenciais. Para auxiliar nesta etapa, o MEC prevê a vinda de 200 professores americanos de várias regiões dos Estados Unidos. A expectativa é que, em um primeiro momento, 20 mil alunos sejam atendidos.

 

A barreira do idioma é um dos motivos pelos quais os estudantes preferem Portugal a outros países. Conforme dados divulgados no fim de 2012, Portugal é o principal destino dos estudantes brasileiros de graduação bolsistas do Ciência sem Fronteiras. Do total de 12.193 alunos incluídos no programa, praticamente 20% optaram por cursar parte do ensino superior em uma instituição lusitana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.