Estudantes invadem gabinete e exigem a saída de diretor

Cerca de 150 estudantes da faculdade de direito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) invadiram hoje o gabinete do diretor, Armênio Albino da Cruz, para pedir o afastamento dele, a quem acusam de má administração, perseguição e nepotismo. A confusão levou policiais militares, civis e federais ao prédio da faculdade, no centro da cidade. Houve tumulto, uma porta foi danificada e uma divisória de vidro foi quebrada, causando estragos em um armário. O diretor deixou a faculdade sob vaias, mas chamou antes a Polícia Federal alegando perigo ao patrimônio público."Não havia a menor necessidade de chamar a polícia", disse Letícia Passos, diretora do Centro Acadêmico Cândido de Oliveira. De acordo com os alunos, o exagero se deve a ligações da direção da faculdade com policiais. No gabinete, os estudantes foram defendidos pelo pró-reitor de graduação, José Roberto Meyer, que redigiu um documento permitindo a permanência dos alunos no gabinete para impedir a ação dos policiais federais, que ameaçavam prender estudantes.Uma comissão formada por três alunos se reuniu durante todo o dia com o reitor Aloisio Teixeira da universidade, enquanto os alunos pretendiam passar a noite no gabinete do diretor da faculdade. "Queremos que o diretor se afaste para permitir que a apuração da comissão seja feita com lisura", disse Letícia.

Agencia Estado,

24 de março de 2004 | 21h21

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.