Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Estudantes interditam cruzamento com mesas e carteiras

Manifestantes fazem parte de grupo que ocupa Escola Estadual Fernão Dias Paes em protesto contra a reestruturação na educação e o fechamento de unidades de ensino

Isabela Palhares, Tulio Kruse e Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

30 Novembro 2015 | 09h57

 
Ato na rebouças contra a reorganização!

ATO NA REBOUÇAS: “NÃO TEM ARREGO”!Se é guerra o que eles querem...#ParemAReorganização Posted by Não fechem minha escola on Segunda, 30 de novembro de 2015

Atualizada às 11h51

SÃO PAULO - Um protesto de estudantes contra a reestruturação da rede estadual de ensino e o fechamento de unidades ensino da gestão Geraldo Alckmin (PSDB) interditou das 7h20 às 11h30 o cruzamento das Avenidas Rebouças e Brigadeiro Faria Lima, nos Jardins. Os manifestantes, que fazem parte do grupo que ocupa a Escola Estadual Fernão Dias Paes, em Pinheiros, na zona oeste da capital, colocaram mesas e carteiras de sala de aula sobre a via. 

A Polícia Militar recebeu informações às 7h23 e foi até o local. A assessoria de imprensa não soube informar a quantidade de jovens que participaram da manifestação, que ocorreu de forma pacífica. Foi registrado um princípio de confusão no início do protesto, quando policiais começaram a retirar as cadeiras utilizadas pelos estudantes para tentar acabar com o ato. 

Por volta das 11h20, um capitão da PM tentou negociar a saída pacífica dos manifestantes. Em seguida, eles começaram a desocupar o cruzamento e seguiram para a Rua Teodoro Sampaio.

Ao longo da manhã, o trânsito na região ficou completamente travado na Rua dos Pinheiros e Euzébio Matoso até a Marginal do Pinheiros. Houve reflexo também no Butantã. Ônibus tiveram de desviar do trajeto original para conseguir trafegar.

Cinco horas após o início do protesto, os estudantes voltaram para a escola Escola Estadual Fernão Dias Paes, de onde haviam saído.

A reorganização da rede estadual paulista foi anunciada pelo governo Alckmin no início de outubro e desencadeou uma série de protestos. Primeiro, estudantes promoveram passeadas e depois iniciaram a ocupação das escolas, cujo número vem aumentando de forma constante. O decreto que regulamenta a reorganização está previsto para ser publicado nesta terça-feira, no Diário Oficial.

Além do fechamento de 93 escolas e de ao menos uma etapa de ensino em 754 unidades, a reorganização da rede estadual paulista deve fechar ainda mais colégios nos próximos anos, revelou o Estado. Em ao menos seis escolas da capital, que não constam da lista divulgada pela gestão Alckmin, a desativação acontecerá progressivamente – em 2016 não estão previstas matrículas nos anos iniciais em ao menos um dos ciclos. Reportagem do Estado também mostrou como as ocupações, que ocorrem em 190 escolas, colocaram a educação no centro do debate

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.