Estudantes e PM se enfrentam na USP

Policiais atiraram bombas de gás lacrimogêneo e alunos revidaram com tijolos

Elida Oliveira, Especial para o Estado de S. Paulo

09 Junho 2009 | 16h56

Alunos da USP e policiais militares se enfrentaram às 17 horas em frente ao Paço das Artes, na Faculdade de Educação da universidade. O confronto começou quando um estudante pegou um cone de trânsito. Em seguida, quatro PMs se aproximaram e os cerca de 300 alunos que estavam no local encurralaram os policiais. O reforço da PM foi acionado e, quando chegou à Faculdade de Educação, o confronto ficou mais intenso. Policiais jogaram bombas de gás lacrimogêneo e os estudantes responderam jogando pedaços de tijolos. Pelo menos um estudante ficou ferido (ele foi levado ao Hospital Universitário). Dois funcionários e o ex-diretor do sindicato da categoria Claudionor Brandão foram detidos.Policiais soltam bombas de gás lacrimogêneo durante confronto com estudantes na USP (foto: Márcio Fernandes/AE) Por volta das 16 horas, cerca de mil pessoas, entre funcionários e estudantes da USP, fecharam a entrada principal da universidade. Quando chegaram ao portão 1, havia 40 policiais militares e cinco guardas de trânsito. A PM já havia interrompido o trânsito da Rua Afrânio Peixoto e os manifestantes fecharam as pistas da Rua Alvarenga. Os policiais estavam recuados, em fila, no estacionamento de uma loja do lado de fora do campus.  Os alunos cercaram o tenente-coronel da PM que comandava a operação e começaram a gritar "fora PM". Em seguida, perguntaram ao policial, que se identificou apenas como tenente Lombo, por que a polícia estava presente na universidade. Ele respondeu que há um mandato de reintegração de posse expedido pela 13ª Vara de Justiça, que a PM tem que executar. "Se vocês são contra a polícia no campus precisam entrar na Justiça", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.