Keiny Andrade/Estadão
Keiny Andrade/Estadão

Estudantes devem diminuir o nervosismo e a ansiedade para o Enem

Na avaliação de especialistas, modificar a rotina na reta final de preparação para o exame pode ser prejudicial

Caio Blois e Pepita Ortega, especiais para o Estado

02 Novembro 2018 | 07h00

SÃO PAULO - A poucos dias do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o principal vestibular do País, o foco do estudantes deve estar no controle da ansiedade. Em conversa com o Estado, especialistas avaliam que o nervosismo pode impactar diretamente na concentração dos candidatos durante as provas, mas fatores como alimentação e descanso podem ajudar a garantir uma performance satisfatória.

O diretor-executivo do Cursinho da Poli, Gilberto Alvarez, comenta que muitos estudantes não lidam bem com a ansiedade e recomenda que, em momentos de crise, os vestibulandos busquem gatilhos para manter o nervosismo sob controle. 

"O aluno deve tentar observar o horizonte, recordar alguma lembrança boa, como um cheiro de perfume ou uma pessoa querida. Beber água, caminhar, respirar fundo, puxando o máximo pelo nariz e soltando pela boca", afirma Alvarez.

A alimentação pode ser uma aliada dos estudantes para conter o nervosismo e garantir um bom desempenho durante os testes. Para a nutricionista Luciana Quiles, não é indicado mudar a alimentação na semana anterior à prova, mantendo a dieta o mais perto da rotina possível. 

Luciana também alerta para o longo período de prova e comenta que o estudante pode perder a concentração se estiver com fome. A nutricionista indica que os vestibulandos levem alimentos que sejam fáceis de comer, como frutas frescas e castanhas, e que não se esqueçam de beber água.

Para Alvarez, comer durante a prova também é importante como distração e maneira de reflexão. "É uma forma de respirar, se concentrar, recuperar energias", comenta.

Reta final

Nos momentos finais da preparação para o Enem, uma coisa é consenso: em time que está ganhando não se mexe. Portanto, nada de mudar a rotina. Fazer alterações radicais na dieta? Nem pensar. Luciana dá dicas para os últimos dias. "Para a véspera e o dia do vestibular, o estudante deve por alimentos mais leves, que não gerem sonolência ou indisposição." 

A experiência de conviver todo ano com alunos que prestam vestibular fez Alvarez criar uma sugestão de rotina para o dia do Enem. Os horários, para além das refeições, também são de suma importância.

"No dia da prova, é importante almoçar cedo, indico por volta de 11h30. Assim, o corpo consegue a digestão de duas horas, garantindo que o candidato não terá sono durante o exame", projeta. "O aluno precisa se conhecer. Alimentos que possam se transformar em energia são necessários, são sempre ótimos. Outra indicação é não levar líquidos muito doces. O ideal é com pouco ou até sem açúcar, porque se for muito doce, dá sede."

E nada de se preocupar com aquela matéria que não entendeu muito bem. Para Alvarez, já não é mais hora de estudo. O descanso é o principal. "O que era para ter sido estudado, já foi. Agora é desencanar, pensar em outras coisas, criar um ambiente leve e tranquilo na reta final da preparação, para desestressar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Filme ou aula? Professores usam cinema para explicar temas do Enem

Telecine faz parceria com educadores em alta na web para preparar para a prova; prática é utilizada por plataformas online

Caio Blois, especial para o Estado

02 Novembro 2018 | 06h00

SÃO PAULO - O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é bem diferente de um vestibular tradicional. A começar pelo próprio caderno de prova, que chama o candidato de cidadão, até a preparação, que inclui, entre outras coisas, desenvolver o senso crítico dos alunos que prestam o exame. 

Pensando nisso, o Telecine fez uma parceria com professores em alta na internet para explicar temas recorrentes nas provas. O projeto Filmes que valem por uma aula convidou educadores para utilizar películas já conhecidas do público para inserir conhecimento.

Uma dos docentes convidados pelo canal foi Carol Mendonça, professora de Português e Redação no site Português para Desesperados, que oferece videoaulas sobre as matérias. Ela escolheu o premiado filme Que horas ela volta?, de Anna Muylaert, em que Regina Casé vive uma empregada doméstica.

"Uma das competências pedidas na prova é que o aluno entenda o mundo que faz parte. O candidato precisa estar adaptado a todas as modalidades de texto, como filmes e músicas, além de literatura", afirma Carol. "Utilizar filmes é um jeito dinâmico e divertido de passar conhecimento. É mais fácil lembrar de uma cena conhecida que de várias aulas."

A ideia, que visa realizar desejos dos seguidores do canal nas redes sociais, atende a uma estratégia de auxiliar o público em suas demandas. Como o Enem é considerado um marco no mês de novembro e a internet é foco de grande investimento do  Telecine - com o Telecine Play, plataforma online de streaming -, o momento é oportuno para ajudar os jovens na preparação para o vestibular.

"Procuramos pessoas que falasse bem com jovens. Para nós, um filme é uma oportunidade de relaxar, mas também de compreender e refletir sobre o mundo que vivemos", destaca a professora. "O cinema é conteúdo de qualidade e queremos passar isso para o nosso público jovem."

Modernização

Uma das maiores plataformas de estudo do Brasil na internet, o Descomplica também se utiliza de filmes, séries e músicas para auxiliar seus alunos. Diogo Mendes, professor de Literatura  do curso pré-vestibular online, vê o Enem como um exame que pede esse tipo de modernização, ensinando a partir de coisas já próximas do cotidiano dos estudantes.

"É uma coisa que contribui para o aluno se sensibilizar mais com o conteúdo. O hipertexto, como chamamos esse link entre a sala de aula e o externo, torna o acesso mais rápido para os estudantes, reforçando o caráter 'mutante' da educação'", afirma o professor. "As referências podem ser usadas não só no Enem mas em toda a vida estudantil."

Mendes sempre teve o costume de sugerir conteúdo artístico aos seus alunos. A popularização de plataformas de streaming, para o professor, amplia os elementos de descoberta de novos conhecimentos.

Ele sugeriu ao Estado filmes como os documentários Língua, disponível no YouTube, e Saving Banksy, no Netflix, além de séries como Seguindo os Fatos e Explicando. "Nessa reta final, pode funcionar como uma oportunidade de compreensão mais leve e tranquila", salienta.

Outro pré-vestibular online, o Stoodi costuma fazer listas para seus alunos agregarem conhecimento por filmes, divididos por matérias, em seu canal no YouTube.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.