Estudantes de Medicina recebem calouros com fantasia semelhante à da seita Ku Klux Klan

Estudantes de Medicina recebem calouros com fantasia semelhante à da seita Ku Klux Klan

Representantes do sexto ano negam associação e dizem que a roupa era uma representação de 'carrasco'; Unesp vai apurar o caso

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S. Paulo

30 Março 2015 | 11h44

SÃO PAULO - Estudantes de Medicina da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Botucatu, interior de São Paulo, denunciaram nas redes sociais o uso de fantasias semelhantes ao do grupo racista norte-americano Ku Klux Klan (KKK), em uma festa de calouros. Os organizadores do evento negam que os adereços fizessem referência à seita. A Unesp informou que vai instaurar uma comissão para apurar o episódio.


O evento, que ocorreu no dia 5 de março, foi mais uma das recepções de calouros organizadas por estudantes do sexto ano, realizada em uma área externa à universidade, no município. Segundo alunos ouvidos pelo Estado, a atividade é uma espécie de "batizado" dos novos alunos, que a cada ano ocorre com uma fantasia diferente. 

O conflito ocorreu porque o "uniforme" usado pelos estudantes neste ano, com capas, gorros e tochas nas mãos, era parecido ao da organização racista KKK, que surgiu no início do século XX nos Estados Unidos e defendia a supremacia branca. Apesar de a roupa ser preta - diferentemente das capas da KKK, que eram brancas -, alguns estudantes se sentiram ofendidos e postaram as imagens nas redes sociais. Os veteranos, no entanto, dizem que a ideia era a representação de "carrascos".

"Com a morte de centenas de milhares de pessoas não se brinca. O racismo não é brincadeira", disse a página "Opressão na Medicina", no Facebook, que reúne relatos de diversos universidades do País. A página compartilhou fotos do evento ao lado de uma das imagens do KKK, com um símbolo nazista. "Eles se utilizam disso para aterrorizar os bixos e depois amenizar a 'brincadeira'. Não se usa uma referência história como essa para uma 'brincadeira'", relatou uma estudante do curso que pediu para não ser identificada. 

Com a repercussão do caso, os veteranos prometeram se reunir com a diretoria da unidade nesta segunda-feira, 30, para relatarem sua versão do episódio. "A conclusão de que estávamos fantasiados de Ku Klux Klan foi inferida pela forma como foram divulgadas as imagens, descontextualizando totalmente a fantasia e inserindo imagens que fizessem com que os leitores chegassem a essa conclusão", informou, em nota, a 48º Turma da Faculdade de Medicina de Botucatu. 

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) instalada na Assembleia Legislativa para para apurar casos de violação de direitos humanos nas universidades chegou a ouvir relatos da Unesp Botucatu no início deste mês. A comissão, que já encerrou seus trabalhos, ouviu relatos de um estudante de Medicina que disse ter sido agredido fisicamente e obrigado a beber em uma festa realizada em chácara alugada. Alunas de biologia também prestaram depoimento à CPI e disseram que os calouros eram obrigados a ficar ajoelhados, buscar bebidas para veteranos, além de sofrer assédio sexual. 

A Unesp, em nota, afirmou que não recebeu nenhuma denúncia  formal sobre o evento até as 10h30 desta segunda-feira. Lembrou ainda que o trote é proibido na universidade e que existem programas contra abuso do uso de álcool e drogas. A instituição divulgou ainda que as denúncias podem ser encaminhadas junto à vice-direção da unidade, a ouvidoria local ou à ouvidoria central, pelo e-mail ouvidoria@reitoria.unesp.br.

Mais conteúdo sobre:
unespcalourosmedicinaTrotes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.