Estudantes da USP agendam 'beijaço' gay em protesto

Folhetim de alunos de Farmácia tinha texto que incitava violência contra homossexuais

Luciana Alvarez, O Estado de S. Paulo

03 de maio de 2010 | 20h22

O diretório acadêmico estudantil da USP e o grupo de discussão sobre a diversidade sexual da universidade convocaram para a tarde de hoje um protesto, que deve terminar em “beijaço gay”, em repúdio às palavras homofóbicas do folhetim “O Parasita”, produzido por alunos do curso de Farmácia, onde deve ocorrer o ato.

 

 

A atual edição do periódico, que é bienal e circula pela internet, promete dar convites para uma festa universitária a quem jogar fezes em um homossexual, fato que motivou diversas manifestações de repúdio no meio acadêmico e um inquérito da Polícia Civil que investiga crimes de injúria e incitação à conduta criminosa.

 

 

A reunião marcada de casais homossexuais prega a livre manifestação. “A gente fez a divulgação por cartazes no câmpus e meio eletrônico para o ato. Oficialmente não é beijaço, mas as pessoas podem se manifestar livremente”, diz Roberto Rubem Brandão, diretor do diretório acadêmico.

 

 

No site do DCE, desde o dia 26, está publicada uma moção de repúdio ao texto homofóbico. “Lamentamos que estudantes com o argumento da brincadeira possam incitar violência psicológica e física entre seus pares na universidade, espaço que acreditamos ser de reflexão e diálogo.”

 

 

No próximo dia 20, um grupo de alunos está convocando por meio de redes sociais na internet um outro “beijaço” no local.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.