Estudantes da USP aderem à greve das estaduais

Cerca de 450 alunos da Universidade de São Paulo (USP), incluindo estudantes de campi do interior, decidiram aderir à greve dos funcionários e professores. Segundo um dos diretores do Diretório Central de Estudantes da USP (DCE), Rodolfo Vianna, haverá uma nova reunião na quinta-feira para continuar o debate sobre as reivindicações.A mobilização tem como objetivo o reajuste salarial de 16% para os funcionários e professores, o aumento da parcela do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) destinada às universidades - de 9,57% para 11,6% -, o fim das fundações na USP e mais democracia interna nas instâncias decisórias ? como eleições diretas para reitor.A assembléia foi feita na noite de segunda-feira na Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA), e durou quatro horas. Na assembléia anterior, realizada no dia 2, já havia sido decidido indicativo de greve, quase sendo deflagrada a paralisação.De acordo com Vianna, mesmo que funcionários e professores retomem as atividades, há a possibilidade de os alunos continuarem a paralisação.Nesta terça, o Sindicato dos Trabalhadores da USP (Sintusp) fechou os portões da Cidade Universitária, a partir das 5h00. Na quarta, haverá passeata dos servidores das universidades estaduais na Avenida Paulista. A greve completa 20 dias e envolve a USP, Unicamp e Unesp.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.