CLAYTON DE SOUZA/ESTADÃO
CLAYTON DE SOUZA/ESTADÃO

Estudantes da PUC-SP mantêm ocupação da reitoria

Assembleia realizada por cerca de 300 estudantes decidiu continuar com a manifestação até que seja estabelecido contato com a reitoria

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S. Paulo

18 Março 2015 | 11h05

Estudantes da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), em Perdizes, zona oeste da cidade, decidiram continuar a ocupação da reitoria da unidade, que teve início na noite desta terça-feira, 17. Assembleia realizada por cerca de 300 estudantes decidiu continuar com a manifestação até que seja estabelecido contato com a reitoria para reivindicar "mais diálogo" e "transparência sobre as finanças da instituição".

Cerca de 70 alunos levaram travesseiros, colchões e comida para passar a noite na universidade. Estudantes do período da manhã também aderiram ao protesto. "Passamos nas salas divulgando as pautas", explicou Bruno Matos, de 25, que é estudante do 4º ano de Jornalismo na instituição e faz parte de uma comissão de comunicação da ocupação.


A ocupação pretende pressionar a reitoria Anna Cintra pela abertura de negociações. A decisão de ocupação foi votada ontem, por cerca de 500 estudantes. 

Após dispensar 50 professores em dezembro, a PUC mandou embora em janeiro 35 funcionários técnico-administrativos – 2,5% do quadro. Além disso, os alunos denunciam corte de subsídios no restaurante – que passou de R$ 5,60 para R$ 10,30 –, fechamento de cursos e aumento do valor das mensalidades. O movimento quer informações sobre a crise financeira da instituição e possíveis dívidas.

A assessoria de imprensa da PUC-SP confirmou a ocupação, mas ainda não se posicionou oficialmente. 


Leia íntegra da nota publicada na manhã desta quarta-feira, 18, pelos estudantes 

A PUC é nossa! Nesta terça-feira, nós, centenas de estudantes da PUC-SP, indignados com a crescente intervenção da Fundação São Paulo, que impede o exercício da nossa democracia e nos tira poder de decisão sobre os rumos da universidade, ocupamos a reitoria como ato político necessário para exigir que sejamos ouvidos! Foi reivindicado o diálogo, protocolando um pedido de audiência pública com a reitora imposta e os padres da Fundação, porém esse foi simplesmente ignorado. Nossa educação está sendo sistematicamente precarizada e a história da PUC insistentemente destruída. Não iremos aceitar essa imposição da reitoria e da Fundação!

Manifestamos insatisfação generalizada em relação à atual gestão da universidade, principalmente quanto à: mercantilização do ensino, ausência de incentivo à pesquisa e projetos de extensão, além do aumento abusivo e subsequente das mensalidades; demissões sumárias de professores e funcionários e precarização de seu trabalho, com aumento de carga horária mantendo os mesmos salários e contratação de auxiliares de ensino (em caráter temporário, que os coloca em condição de vulnerabilidade); terceirização dos funcionários, retirando seus direitos trabalhistas; fechamento de cursos não rentáveis; precariedade de políticas de permanência, como o corte no subsídio do bandejão e ausência de creche para mães estudantes; oposição à mobilização estudantil e perseguição política de estudantes e professores.

Tal contexto é justificado pela Fundação São Paulo sob o argumento vago de uma crise financeira, que nunca foi devidamente explicada, levando à necessidade desses “corte de custos”. A situação se agrava principalmente pela atual estrutura autoritária de gestão da universidade, que tem o Conselho Administrativo (CONSAD) – composto por três membros com direito a voto, Secretários Executivos e a Reitoria - como máxima instância deliberativa. Apesar de estatutariamente possuir competência limitada às questões administrativas e financeiras, na prática, delibera sobre todos os rumos da universidade, ignorando as decisões do Conselho Universitário (CONSUN), competente para lidar com questões acadêmicas e que possui representatividade dos demais setores da comunidade.

Mais conteúdo sobre:
pucocupação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.