Werther Santana/AE
Werther Santana/AE

Estudante vai passear e perde a hora da prova

Apesar de a prova da Fuvest ter ocorrido sem grandes problemas, alguns candidatos se atrasaram por diferentes motivos.

Estadão.edu e Jornal da Tarde

29 Novembro 2010 | 19h52

 

A distração tirou de Thiago Viana Marques, de 17 anos, a oportunidade de disputar uma vaga no curso de Economia. O vestibulando saiu cedo de casa, em  Carapicuíba, na Grande São Paulo, para ir até o prédio da Faculdade de Engenharia da Poli, na Cidade Universitária, zona oeste da capital. Chegou ao câmpus  às 11 horas, duas horas antes do início do exame, e resolveu dar uma volta pelo local.

 

Ele contou que, mesmo conhecendo “relativamente bem” o câmpus, estava sem relógio e se distraiu. Quando viu a hora em um dos relógios de rua da USP, tomou um  susto: eram 12h58. Thiago conseguiu carona com uma mulher que passava pelo local, mas só chegou à Poli às 13h10. Encontrou os portões fechados. Desapontado,  o aluno de escola pública disse que não vai desistir de passar na Fuvest.

 

Na região da Barra Funda, o único candidato que chegou atrasado ao câmpus da Uninove nem ficou tão chateado. Apresentando-se como Fernando Soares, deixando  claro que era um nome fictício, ele perdeu a prova por três minutos. Ele, que disse ter 30 anos, já começou o curso na Universidade do Contestado, em  Concórdia, interior de Santa Catarina, e queria uma transferência para São Paulo, onde mora a namorada. Ele saiu do Butantã, na zona oeste, e foi de ônibus.  “Não tinha ideia que era tão distante”, resumiu.

 

Já o treineiro Carlos Alberto Victorino Júnior, de 16 anos, perdeu a prova porque não conseguiu encontrar a tempo o prédio da Faculdade de Engenharia Civil  da Poli. Ele disse que perguntou o caminho a várias pessoas no câmpus, mas ninguém soube informar. Ele culpa a falta de sinalização.

 

A coordenadora da Fuvest, Maria Thereza Fraga Rocco, rebateu as críticas. “Temos 1,5 mil alunos fazendo prova aqui e só ele não encontrou o local. Acho um  absurdo reclamar da sinalização”, afirmou.

 

Do hospital. Anteontem, Júlia Bernardes, de 18 anos, candidata a Administração, amanheceu com febre, diarreia e vômito. Foi para o  Hospital São Luiz, no Itaim, onde foi diagnosticada com virose e pneumonia. Sua mãe ligou para a administração da prova e conseguiu autorização para que a  filha fizesse o exame no hospital, com supervisão de um funcionário da Fuvest.

Mais conteúdo sobre:
FuvestFuvest 2011Vestibular

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.