Estudante chilena em greve de fome está em estado grave

Gloria Negrete, de 19, pode ter falência renal e danos neurológicos; ela protesta por uma educação pública de qualidade

AFP

23 Agosto 2011 | 12h54

Uma estudante chilena de 19 anos permanece em estado grave na segunda-feira, depois de 35 dias de greve de fome em apoio aos protestos de estudantes no país, que lutam por uma educação pública gratuita e de qualidade.

"É grave e (ela) pode ficar com danos neurológicos e renais irreversíveis", disse o subsecretário de redes assistenciais do Ministério da Saúde, Luis Castillo, sobre o estado de saúde de Gloria Negrete, aluna do Liceo A-131 da comuna agrícola de Buin, internada no hospital da cidade.

A saúde de Gloria preocupa especialmente as autoridades, já que ela padece de asma crônica. Desde o início da greve, ela perdeu 12 quilos - agora pesa 49 quilos. Só aceita ingerir soro e pouca água por dia, segundo Castillo.

O ministro da Saúde, Jaime Mañalich, visitou domingo a jovem e acusou adultos de a pressionarem para manter a greve.

"Existe coerção, pressão; há instrumentalização para que Gloria siga a greve de fome até as últimas consequências", afirmou na segunda-feira o ministro, que anunciou que desenvolve medidas para uma ação legal por assistência ao suicídio.

"Esta é uma decisão própria de minha convicção. Eu luto pelos estudante, isso não tem cores políticas", teria afirmado Gloria ao periódico "La Segunda". "Não sou de esquerda ou de direita, tenho a convicção de seguir ao final, custe o que custar", teria dito ao jornal.

Gloria integra o grupo de cinco alunos da escola de Buin que estão em greve de forme. Dois deles, além de Gloria, já cumpriram mais de um mês. Outros trinta estudantes, do ensino médio e universitários, se mantêm também em jejum em diferentes lugares do Chile.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.