Divulgação CTC/PUC-Rio
Divulgação CTC/PUC-Rio

Estudante busca financiamento para estudar Engenharia Aeroespacial nos EUA

Luiz Gomes havia conseguido uma parte do valor, mas uma das bolsas foi cancelada; Ele tem até o próximo dia 20 para conseguir mais 20 mil dólares e não perder a vaga

Paulo Saldaña, O Estado de S. Paulo

07 Julho 2015 | 20h35

* Atualizado às 15h07 do dia 8 de julho

No meio do ano passado, o estudante carioca Luiz Fernando Leal Gomes comemorava uma vitória que iria mudar sua vida: conseguiu por meio de um financiamento coletivo pela internet dinheiro para financiar seus estudos de Engenharia Aeroespacial nos Estados Unidos. A alegria, infelizmente, durou pouco: descobriu pouco depois de que não conseguiria uma bolsa para moradia e alimentação antes garantida e, sem recursos, corre atrás mais uma vez de ajuda para conseguir realizar seu sonho.

Gomes, hoje com 21 anos, tem até o dia 20 de julho para levantar US$ 20 mil (cerca de R$ 36 mil) que faltam para fechar as condições de sua permanência e iniciar seus estudos na primeira semana de setembro. Se não conseguir a quantia de doadores, uma vez que sua família não tem condições, corre o risco de perder a vaga que suou para conquistar.

Filho de um professor e uma recepcionista, morador do Méier, zona norte do Rio, Gomes conseguiu ser aprovado no Instituto tecnológico da Flórida em Engenharia Aeroespacial - a instituição tem contratos com a Nasa. "Só dois brasileiros conseguiram passar, eu e outro rapaz, que já está lá. Agora só falta eu", disse ele.

Foi em uma apresentação de aviões no Rio que Gomes, aos 14 anos, decidiu que o queria fazer da vida. Primeiro colocou na cabeça que queria ser piloto de avião e iria estudar na Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR), no Rio, já no ensino médio. Aluno de uma escola particular com bolsa no enisno fundamental, ele também estudou por três anos, na maior parte do tempo por conta própria, para passar na prova superconcorrida. Passou na terceira tentativa, mas descobriu que tinha miopia e uma cirurgia só seria possível mais tarde. Não havia como levar esse sonho adiante. 

Descobriu então o espaço. No primeiro ano do ensino médio, que fez no Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca (Cefet-Rio), decidiu que iria fazer universidade fora e se dedicou, também por conta própria, a aprender a inglês. No início de 2014 veio a notícia da sua aprovação para a chamada Flórida Tech. No Cefet havia ganhado várias medalhas em olimpíadas escolares, além de uma bolsa de vocação acadêmica.

A partir disso, conseguiu no ano passado cerca de R$ 30 mil a partir da doação de 49 pessoas por meio do crowdfunding na internet. Com uma bolsa de US$ 20 mil (cerca de R$ 63 mil) da própria instituição e outros R$ 10 mil que seus pais se esforçaram para juntar, o estudante seria o zelador do alojamento e, dessa forma, poderia arcar com estadia e alimentação. Mas essa oportunidade não se confirmou e um buraco de US$ 20 mil ficou em seu orçamento. "Desanimei, quase desisiti. Entrei em contato com quem tinha colaborado e iria devolver o dinheiro. Mas quase ninguém quis o dinheiro de volta e me incentivaram a continuar", conta ele. "Então estou na correria de novo". 

Para não ficar parado, Gomes começou a estudar Engenharia na Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio - garantiu uma bolsa integral. A PUC-Rio tem ajudado a divulgar seu caso e seu esforço - que agora é também contra o relógio. "Preciso ter o dinheiro na conta para conseguir o visto americano de estudo, mostrando que tenho condições de me manter por lá", conta. Por causa dos prazos, não pôde organizar um novo crowdfunding, como no ano passado. "Não sou gênio, o que sempre fui é ser muito esforçado. Tento ser um realizador de sonhos", diz ele.

O carioca está divulgando seu contato em busca de quem puder colaborar com seu sonho: astronando@gmail.com.

Quem preferir, pode depositar diretamente na conta dele: Banco do Brasil/ Agência: 0.0930 / Conta Corrente: 569.003.

Mais conteúdo sobre:
Intercâmbio Engenharia Universidade

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.