Estudo para vestibular deve ter espaço para lazer, diz especialista

Descanso é essencial para a produtividade, mas deve vir como recompensa de um bom trabalho

Luiza Pollo, O Estado de S. Paulo

30 Setembro 2016 | 18h42

Saulo Velasco é psicólogo e trabalha com desenvolvimento de habilidades e estratégias de estudo. Ele explica que, em um mês, não dá tempo de aprender os conteúdos que foram deixados para trás durante o ano. No entanto, a pouco tempo dos principais vestibulares, ainda é possível revisar as matérias e, principalmente, dar uma gás na motivação.

O que o aluno ainda pode fazer para se preparar, a um mês da prova?

Se a pessoa já vem estudando há bastante tempo, nessa reta final deve revisar o material que produziu anteriormente. Esse não deveria ser o momento para adquirir novos conhecimentos. Pouca coisa vai ser apreendida de uma hora para a outra. É o momento de revisar o conteúdo previamente estudado. O aluno que foi lendo, grifando, conseguiu fazer esquemas, resumos e mapas conceituais tem um ótimo material de revisão neste momento. Basta reler e consultar o que produziu.

Qual é um bom plano de estudos para a reta final?

Uma coisa muito interessante que dá para fazer agora é estudar por meio de simulados. Mas é um pouco diferente de só fazer simulados. A ideia geral é estudar e, quando se sentir preparado, fazer o teste. Meu conselho é usar as questões da prova como ponto de partida para os estudos, e não como teste de conhecimentos. Pegar as questões, ler e começar uma busca na revisão. Isso vai ser um motivador para o aluno iniciar o estudo.

Além do conteúdo, como o aluno pode se preparar para as provas?

Várias coisas são importantes. O primeiro ponto é se alimentar bem e dormir bem. Noites mal dormidas antes das provas são muito prejudiciais. Além disso, uma pausa a cada uma ou duas horas de estudo ajuda na produtividade. Assistir um episódio de uma série ou jogar videogame são opções. O lazer é fundamental, e esses momentos podem ser usados como uma recompensa pessoal pelo estudo. O adolescente não pode se dar o fim de semana livre quando não estudou no resto da semana, mas, se fez um bom trabalho, é importante descansar. Os pais podem ajudar bastante com essa 'recompensa'.

De quais outras formas os pais podem ajudar?

A melhor forma é não fazer pressão. Alguns são mais diretos, mas às vezes ela é sutil. "Está chegando o grande dia", dizem. Ou, no dia da prova, fazem uma cerimônia em casa, preparam um café da manhã como se fosse uma ocasião excepcional. Isso tende a gerar expectativas e ansiedades desnecessárias. É bom que a prova não vire um evento, mas que seja o mais próximo possível de um dia comum. A médio e longo prazo, os pais precisam prestar atenção em outras questões. Alguns ignoram quando o filho está indo bem na escola mas, quando vai mal, dão bronca. Ou seja, só prestam atenção quando as coisas não vão bem. Isso não deve acontecer.

Como lidar com as pressões impostas pelo próprio aluno?

Essa ideia de que 'é agora ou nunca' não é certa. Os adolescentes ainda estão no começo da vida. O vestibular ou Enem não é tudo ou nada. Mas sei que esse é um conselho 'vazio', porque não vai mudar a ansiedade que ele sente. O que eu tenho a dizer é: caso não dê certo desta vez, vá com calma na próxima. Encare que, com cada prova, aprendemos a fazer melhor.

 

Mais conteúdo sobre:
Enem

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.