Estágio social ganha importância nas empresas

Cada vez mais as empresas procuram pessoas criativas e capazes de propor soluções eficazes em situações inesperadas, duas das habilidades que podem ser exercitadas no trabalho em equipe e na capacidade de reflexão, geralmente encontrados na atuação voltada ao bem comum. Por essa razão, a participação em programas sociais é atualmente é um requisito de contratação tão importante quanto o conhecimento de um segundo idioma.É o que aponta levantamento realizado em setembro do ano passado pelo Centro de Integração Escola-Empresa (CIEE), com 479 funcionários de empresas envolvidos diretamente na contratação de novos colaboradores.Para 8,7% dos entrevistados, a participação em programas sociais é o sexto item apontado numa relação de onze requisitos que influenciam na decisão de contratação, escolhido antes mesmo da alternativa domínio de outro idioma, assinalada por 8,2% dos questionados.Estágio no Terceiro SetorNesse contexto, o estágio é uma das alternativas para que, desde o início da vida profissional, os jovens possam se exercitar na área social. Para ampliar as oportunidades de treinamento em atividades comunitárias, o CIEE mantém 85 estagiários atuando em entidades do 3º Setor e órgãos públicos dedicados à assistência social.As bolsas-auxílio são pagas pelo CIEE, com o valor médio de R$ 455, para período de quatro horas, e de R$ 800, para jornada de oito horas. Os estudantes também recebem vale-transporte e vale-refeição.Os estágios são realizados em entidades que trabalham com crianças e jovens carentes ou em projetos voltados para a melhoria da qualidade de vida de comunidades.Outra realidadeO Centro Social Nossa Senhora do Bom Parto, na zona leste de São Paulo, é um dos parceiros do CIEE e conta, desde novembro do ano passado, com 11 estagiários. A entidade atende 7.700 crianças, adolescentes e adultos em situação de rua.?Aprecio muito o estágio, porque adquiro novas experiências e conhecimento de uma outra realidade, já que a entidade atende um público carente?, conta a estagiária Adriana Cristina Febraio, estudante do 3º ano de Administração de Empresas, que atua na área de Desenvolvimento Estudantil do Centro desde junho de 2003.Profissionalização de entidadesSe o estágio social ajuda o jovem a absorver conhecimentos diferentes dos oferecidos por uma experiência mais convencional, ele também auxilia na profissionalização das entidades.?A parceria promoveu um salto qualitativo no nosso atendimento. Pudemos implementar e iniciar algumas práticas devido à contribuição dos estagiários?, avalia Ana Maria Peres da Silva, coordenadora de Desenvolvimento Institucional do Centro Social Nossa Senhora do Bom Parto.Aulas de suplênciaOutra entidade beneficiada com a atuação de estagiários é o Projeto Educacional CIEE/PEC, também sediado na zona leste de São Paulo, idealizado e dirigido pela médica Yvonne Capuano, vice-presidente do Conselho de Administração do CIEE.Seis estudantes, supervisionados por profissionais, dão aulas de suplência da 5.ª à 8.ª séries e de ensino médio, além cursos de informática, alfabetização, português e inglês, entre outros serviços, atendendo a 615 pessoas de famílias carentes.Capacitação e inclusão?Os estágios sociais abrem novas perspectivas para os estudantes e contribuem para a sua capacitação e inclusão?, diz Renata Altero de Mello, supervisora de Projetos Especiais do CIEE.O setor é responsável pelo Programa CIEE de Alfabetização Gratuita de Adultos, que concede bolsa-auxílio a 95 estagiários, encarregados das aulas ministradas a cerca de 20 mil alunos por ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.