Felipe Rau/AE
Felipe Rau/AE

'Estadão' terá correção ao vivo das provas da segunda fase da Fuvest 2012

Hoje os vestibulandos respondem a dez questões de interpretação de textos, gramática e literatura e escrevem uma redação em língua portuguesa

Carlos Lordelo, do Estadão.edu,

08 Janeiro 2012 | 03h00

Os estudantes que fazem hoje a prova de português e redação da segunda fase da Fuvest poderão assistir à correção comentada do exame às 18 horas, no site do Estadão.edu (estadao.com.br/educacao). Professores do Cursinho da Poli vão analisar as questões e responder a dúvidas que chegarem pelas redes sociais.

Perguntas e comentários sobre a prova deverão ser feitos no Twitter, usando a hashtag #EduFuvest, ou no Facebook (facebook.com/estadao.edu).

Hoje, os vestibulandos respondem a dez questões de interpretação de textos, gramática e literatura e escrevem uma redação em língua portuguesa. A etapa discursiva continua amanhã, quando caem 16 questões sobre história, geografia, matemática, física, química, biologia e inglês. Algumas são interdisciplinares. Na terça-feira, último dia do vestibular, o aluno enfrentará 12 questões específicas de duas ou três disciplinas relacionadas ao curso em que se inscreveu. Cada exame terá quatro horas de duração e vale cem pontos.

Em todos os dias haverá correção comentada do Cursinho da Poli no estúdio da TV Estadão.

Orientações. Estão em jogo 10.852 vagas em cursos da Universidade de São Paulo (USP) e 100 na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa.

Disputam as cadeiras 29.203 candidatos. Outros 2.300 estudantes, que ainda não concluíram o ensino médio, participam do processo como treineiros.

As provas serão aplicadas em 42 pontos do Estado, dos quais 20 na Grande São Paulo. Os portões das escolas abrem diariamente às 12h30 e fecham às 13 horas, quando começa o exame. Atrasos não serão tolerados.

Os vestibulandos só poderão deixar a sala de prova a partir das 15 horas. Para saber onde vai prestar a Fuvest, o candidato deve acessar o site da fundação (fuvest.br), abrir a lista "Convocados 2.ª fase" e clicar no seu nome. O local pode ser diferente do da primeira etapa.

Hoje, os alunos deverão entregar uma foto 3x4 recente aos fiscais. E, em todos os dias, será necessário apresentar o documento de identidade original. Os candidatos poderão entrar nas salas de prova com água e alimentos.

As respostas deverão ser escritas em caneta esferográfica de tinta azul ou preta, mas será permitido o uso de lápis n.º 2, borracha e régua graduada nos espaços para rascunho. No terceiro dia, quem fizer questões de matemática poderá usar esquadros, transferidor e compasso.

O edital do exame veta o uso de qualquer dispositivo móvel de comunicação, como celulares, e de computadores. Também é proibido vestir gorros e bonés e utilizar canetas marca-texto.

A primeira chamada de aprovados será divulgada em 4 de fevereiro. As matrículas deverão ser feitas nos dias 8 e 9 de fevereiro.

Redação. A prova da Fuvest é conhecida por cobrar um tema genérico. No ano passado, os candidatos redigiram um texto sobre altruísmo e pensamento a longo prazo. "Um mundo por imagens" foi a proposta do exame retrasado. "A banca exige maturidade do aluno", diz a coordenadora de língua portuguesa do cursinho Etapa, Célia Passoni.

As questões de língua portuguesa devem explorar a capacidade de interpretação textual dos estudantes. "Como nos grandes vestibulares, não costuma cair gramática na Fuvest", diz Francisco Achcar, coordenador do cursinho e do colégio Objetivo.

Quatro das dez perguntas geralmente são focadas nas obras de leitura obrigatória. Professores dizem que O Cortiço foi muito exigido na primeira etapa e apostam que hoje haverá perguntas sobre Dom Casmurro.

Mais de 146 mil pessoas se inscreveram neste vestibular. Elas fizeram a prova de primeira fase, com 90 questões de múltipla escolha, no fim de novembro. As carreiras com a maior nota de corte foram Medicina (em São Paulo) e Ciências Médicas (em Ribeirão Preto), com 73 pontos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.