'Está tudo pronto para o Enem', diz Mercadante

Provas já foram encaminhadas para pontos estratégicos de distribuição em todo o País

Rafael Moraes Moura, de O Estado de S. Paulo,

25 Outubro 2012 | 14h14

BRASÍLIA - As provas dos alunos que vão se submeter à próxima edição do Enem já foram impressas e encaminhadas para pontos estratégicos de distribuição em todo o País, informou nesta quinta-feira, 25, o ministro da Educação, Aloizio Mercadante. Segundo Mercadante, “já está tudo pronto”. O exame está marcado para os dias 3 e 4 de novembro; este será o primeiro Enem desde que o ministro assumiu a pasta, em janeiro.

“Há muito tempo (as provas já foram impressas), todas as provas já estão distribuídas próximas aos locais (de aplicação). São 72 batalhões do Exército, Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Polícia Militar (cuidando da segurança), estão muito bem protegidas”, disse o ministro a jornalistas, após participar de solenidade no Palácio do Planalto.

“As provas já estão nos pontos estratégicos para distribuição. Está tudo pronto, já estamos com as provas todas distribuídas, toda a infraestrutura logística preparada”, afirmou.

O ministro destacou a mudança na correção das redações. O MEC promete mais rigor na correção das redações neste ano, ao diminuir a discrepância máxima de 300 para 200 pontos entre os dois corretores que analisam os textos. Para ajudar na preparação dos candidatos, a pasta também elaborou um guia para orientar os estudantes com esclarecimentos sobre os critérios de avaliação, que pode ser conferido neste link: http://www.inep.gov.br/.

“Acredito que vamos ter um excelente exame, quem estudou vai ter um ótimo resultado”, afirmou o ministro. De acordo com Mercadante, foi reforçado o trabalho de treinamento dos fiscais.

Medicina

Mercadante negou também qualquer atrito ou mal estar com o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. Os dois sentaram um ao lado do outro durante o lançamento do Plano Safra da Pesca e Aquicultura, no Palácio do Planalto.

Padilha sugeriu a proposta de um novo plano de avaliação de cursos de Medicina, um exame progressivo que seria aplicado em alunos dos 2.º, 4.º e 6.º anos de Medicina. Uma proposta feita por sua pasta que, de acordo com sua equipe, está em fase de negociação com o MEC. Em nota, o ministério afirmou desconhecer “qualquer proposta do ministro da Saúde” nesse sentido.

“Vamos encontrar uma solução positiva para essa agenda, de como aprimorar o sistema de avaliação”, disse Mercadante. Questionado se a ideia de Padilha era boa, Mercadante respondeu: “Vamos sentar e discutir. Qualquer mudança tem de ser muito amadurecida, vamos iniciar um processo de construção”, afirmou.

A crise na Esplanada ocorreu após o Estado revelar que Padilha é o preferido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para disputar o governo de São Paulo - e, portanto, virtual adversário de Mercadante no PT .

Mais conteúdo sobre:
Enemdistribuiçãosegurança

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.