"Espero que o presidente me mantenha aqui"

Um dia depois de ter incentivado estudantes a fazerem uma passeata pela Esplanada dos Ministérios, até o Congresso, o ministro da Educação, Cristovam Buarque, admitiu que sua declaração foi "um erro". A manifestação convocada por Cristovam seria para que os alunos reivindicassem mais recursos para o ensino no Orçamento da União para 2004."Talvez eu seja um dos ministros menos competentes politicamente. É meu jeito de ser. Eu falo as coisas. Mas, em política, você não tem de falar tudo", argumentou Cristovam, em entrevista exclusiva ao Estado. O ministro do PT garantiu que não procura uma saída honrosa para deixar o cargo. "Espero que o presidente Lula me mantenha aqui."Descontraído, ele afirmou não se importar com os rumores que apontam para seu afastamento do ministério. Tanto que anunciou seu novo plano: pôr a mão na massa e lembrar os velhos tempos, dando aulas para uma das dezenas de turmas de analfabetos do Programa Brasil Alfabetizado.Na sua opinião, o grande legado de Lula, ao fim de quatro anos de mandato, deve ser a educação, e não a estabilidade econômica.Clique para ler a entrevista em

Agencia Estado,

12 de setembro de 2003 | 13h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.