Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Especialistas questionam troca de secretário de Educação

Para presidente de sindicato, Chalita 'vai ter trabalho para convencer que é a pessoa para esse momento de mudanças'

Paulo Saldaña e Victor Vieira, O Estado de S. Paulo

08 Janeiro 2015 | 23h56

SÃO PAULO - O presidente do Sindicato dos Profissionais em Educação no Ensino Municipal de São Paulo (Sinpeem), Claudio Fonseca, vê a escolha do peemedebista Gabriel Chalita para a Secretaria Municipal de Educação com apreensão. “Sua atuação na rede estadual foi contestada”, disse. “Ele vai ter trabalho para convencer que é a pessoa para esse momento de mudanças.” 

Fonseca critica a falta de diálogo da gestão de Cesar Callegari com os professores. Nos anos em que ficou à frente da Secretaria Estadual de Educação, Chalita, que publicou 70 livros, manteve uma boa relação com a rede. Nos eventos oficiais, eram longas as sessões de fotos.

A presidente do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), Maria Izabel Noronha, disse que não acompanhou a gestão de Chalita e preferiu não comentar a troca. 

A consultora em educação Ilona Becskeházy critica o critério da mudança. “Esse arranjo político, e não o desenho de política pública, não funciona mais.”

O advogado Salomão Ximenes, da Ação Educativa, se disse preocupado com a transição, principalmente com o tema da educação infantil. “O Callegari se colocava aberto ao diálogo com as instituições que tratam do tema.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.