Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Especialistas questionam troca de secretário de Educação

Para presidente de sindicato, Chalita 'vai ter trabalho para convencer que é a pessoa para esse momento de mudanças'

Paulo Saldaña e Victor Vieira, O Estado de S. Paulo

08 de janeiro de 2015 | 23h56

SÃO PAULO - O presidente do Sindicato dos Profissionais em Educação no Ensino Municipal de São Paulo (Sinpeem), Claudio Fonseca, vê a escolha do peemedebista Gabriel Chalita para a Secretaria Municipal de Educação com apreensão. “Sua atuação na rede estadual foi contestada”, disse. “Ele vai ter trabalho para convencer que é a pessoa para esse momento de mudanças.” 

Fonseca critica a falta de diálogo da gestão de Cesar Callegari com os professores. Nos anos em que ficou à frente da Secretaria Estadual de Educação, Chalita, que publicou 70 livros, manteve uma boa relação com a rede. Nos eventos oficiais, eram longas as sessões de fotos.


A presidente do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp), Maria Izabel Noronha, disse que não acompanhou a gestão de Chalita e preferiu não comentar a troca. 

A consultora em educação Ilona Becskeházy critica o critério da mudança. “Esse arranjo político, e não o desenho de política pública, não funciona mais.”

O advogado Salomão Ximenes, da Ação Educativa, se disse preocupado com a transição, principalmente com o tema da educação infantil. “O Callegari se colocava aberto ao diálogo com as instituições que tratam do tema.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.