Escolas podem reajustar mensalidades em até 10% em 2012

Sindicato de colégios paulistas atribui índice a previsão de alta da inflação, reflexo da crise internacional

José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

27 Setembro 2011 | 11h08

O reajuste das anuidades nas escolas paulistas deve ficar entre 8% e 10%, prevê o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado de São Paulo (Sieeesp).

Cada escola tem até meados de dezembro – 45 dias antes do início do ano letivo – para definir o valor, mas a expectativa é de reajuste médio um pouco acima da inflação, disse o presidente do Sieeesp, Benjamin Ribeiro da Silva. “Nossa previsão é de que a inflação atinja os 7% neste ano, mas os proprietários de escolas trabalham com a perspectiva de um aumento inflacionário no próximo ano por conta da crise financeira internacional.”

Segundo Silva, o sindicato não estipula um índice, mas fornece indicadores econômicos para que cada escola estabeleça seu reajuste. “O mantenedor deve ter cuidado, pois estamos em tratativas salariais com os professores e não sabemos de quanto vai ser o aumento deles.”

Além disso, de acordo com o Sieeesp, em 2012 as escolas terão de absorver a mudança nas regras do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) que acresceu três dias a mais de depósitos na conta do trabalhador, além de aumentos indiretos de impostos.

Em reunião com mantenedores da região de Sorocaba ontem, Silva alertou para o risco da fixação de um aumento abaixo do necessário para cobrir os custos.“Todas as taxas públicas são indexadas pelo IGPM (Índice Geral de Preços Médios), que já está quase em 11%”, advertiu.

O sindicalista lembrou que as escolas devem incluir nos custos a renovação tecnológica. “Na área de informática tudo muda rápido e as escolas precisam atualizar a tecnologia.”

Apesar dessas recomendações, Silva pediu cautela. “Não recomendamos aumentos absurdos. Cada escola tem de saber se sua clientela pode absorver o reajuste.”

Mais conteúdo sobre:
escolas reajuste mensalidades

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.