Escolas particulares vão opinar no Plano Estadual de Educação

Escolas particulares do Estado vão participar do novo Plano Estadual de Educação - programa de diretrizes que vai reger o sistema educacional nos próximos dez anos. Segundo o presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Estado de São Paulo (Sieeesp), José Augusto Lourenço, essa é a primeira vez que a iniciativa privada é chamada para colaborar na confecção de uma política pública. Na quarta-feira, o secretário de Educação, Gabriel Chalita, recebeu proprietários e representantes de escolas particulares para a primeira audiência pública com o setor sobre o plano. O sindicato decidiu solicitar que as escolas do Estado apresentem sugestões e subsídios ao plano.RepresentaçãoEm duas ou três semanas, de acordo com a entidade, um documento com os principais pontos deve ser levado à secretaria. O sindicato representa 10 mil escolas. Desde que o projeto do plano estadual foi lançado pela secretaria, em 29 de abril, Chalita já teve encontros com o secretários municipais de Educação e com representantes das escolas estaduais. Outras audiências e reuniões devem ocorrer nos próximos meses. O plano estadual atingirá todos os níveis de educação: de ensino infatil ao superior. Chalita quer que até 15 de outubro, os os planos estadual e municipais sejam apresentados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.