Escolas municipais em São Paulo começam ano sem material e uniforme

Previsão da Secretaria de Educação é iniciar entrega na segunda quinzena de fevereiro

Victor Vieira, O Estado de S. Paulo

04 Fevereiro 2014 | 17h30

Os alunos da rede municipal de ensino de São Paulo vão começar as aulas sem material e uniforme escolar. A distribuição dos kits começará apenas na segunda quinzena de fevereiro e a expectativa da Secretaria Municipal de Educação é de concluir a entrega até o fim de março. O início do ano letivo será nesta quarta-feira, 5.

"Dos últimos anos, esta será a entrega mais rápida", disse o secretário municipal de Educação, César Callegari. Ele afirmou que a logística de armazenamento e distribuição, por conta do tamanho da rede, naturalmente demanda alguns dias. Os materiais pedagógicos, como cadernos de ensino, já foram enviados às escolas.

De acordo com a pasta, em 2012 e 2013, a entrega dos uniformes começou em março e terminou somente em agosto. Callegari também ressaltou que os uniformes de inverno serão repassados aos alunos logo depois da entrega das roupas de verão.

Serão distribuídos pouco mais de 741 mil kits de material escolar, com custo total de R$ 12,56 milhões. Já para uniformes escolares, serão entregues cerca de 550 mil kits, a custo de R$ 100 milhões.

Qualidade. Após problemas de distribuição de tênis de má qualidade no ano passado, como mostrou a Controladoria-Geral do Município e o Ministério Público Estadual (MPE), Callegari garantiu que os materiais deste ano foram devidamente testados. O MPE havia apontado que a fornecedora dos calçados fraudou um laudo do Instituto de Pesquisas Tecnológicas para oferecer calçados mais baratos do que o previsto na licitação.

De acordo com o secretário, a Prefeitura já interrompeu todos os contratos com a empresa investigada. "Tomamos vários providências para que não tivéssemos surpresas. Os novos editais preveem que, a cada processo de entrega, amostras sejam obrigatoriamente analisadas", afirmou Callegari. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.