Escolas estaduais de São Paulo receberão R$ 40 milhões para reparos, diz Alckmin

Cada uma das 5 mil instituições deverá ganhar cerca de R$ 7,9 mil, que será gerenciado pela associação de pais e mestres local

Victor Vieira, O Estado de S. Paulo

16 Janeiro 2014 | 15h08

As escolas estaduais paulistas receberão R$ 40 milhões para pequenos reparos, como pintura e jardinagem, antes da volta às aulas em 27 de janeiro. O programa Trato na Escola foi anunciado pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) nesta quinta-feira, 16.

Cada uma das cerca de 5 mil escolas do Estado ganhará cerca de R$ 7,9 mil, que será gerenciado pela associação de pais e mestres local, responsável por contratar reformas, consertos e instalações. De acordo com a Secretaria do Estado da Educação, as escolas podem inovar e usar o dinheiro para grafitar muros ou levar à frente outras manifestações artísticas.

"Queremos tudo arrumadíssimo para o início do ano letivo", afirmou Geraldo Alckmin. Para as obras de maior porte, as unidades deverão acionar a própria pasta ou a Fundação para o Desenvolvimento da Educação (FDE), órgão ligado à secretaria.

Segurança. Questionado sobre a ação movida pelo Ministério Público Estadual (MPE) que mostrou a falta de aval dos bombeiros em 94% das escolas estaduais paulistas, revelada pelo Estado em dezembro, Alckmin garantiu que são tomadas medidas de segurança. Segundo ele, 1.021 das 1.140 unidades escolares da capital têm auto de vistoria do Corpo de Bombeiros. "As outras estão aguardando aprovação, mas todos os documentos já foram providenciados", afirmou.

Conforme a investigação do Ministério Público, "e informes da FDE, em 12 de novembro de 2013, apenas 72 escolas foram regularizadas junto ao Corpo de Bombeiros". Os documentos mencionados na investigação do MPE apontam a falta de equipamentos de incêndio, corrimão e saídas de emergência na maioria das unidades escolares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.