Escolas com menos alunos lideram ranking do Enem

Escolas com menos alunos lideram ranking do Enem

Das 50 escolas com as melhores notas em 2013, 19 têm menos de 50 alunos, por exemplo

BÁRBARA FERREIRA SANTOS, LUIZ FERNANDO TOLEDO e PAULO SALDAÑA, O Estado de S. Paulo

23 Dezembro 2014 | 03h00

Escolas com poucos alunos concentraram as primeiras posições no ranking do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Das 50 escolas com as melhores notas em 2013, 19 têm menos de 50 alunos, por exemplo. O maior destaque é o Objetivo Integrado, de São Paulo, que mais uma vez ficou em primeiro lugar na lista. No ano passado, após não ter figurado na liderança, o colégio entrou com recurso e conseguiu a revisão do resultado - o que o colocou na ocasião no topo.

Com uma turma de 44 alunos participantes no Enem, o colégio teve uma média geral de 741,94 pontos. O dono da rede de colégios Objetivo, João Carlos Di Genio, diz acreditar que o bom resultado da instituição na prova se deve à intensa preparação. “O treino para o Enem é ensinar ao aluno o que o conteúdo realmente significa, ou seja, ele tem de entender esse conteúdo. O aluno não vai bem se não treinar interpretação de texto de verdade.” 

Para ele, os alunos do colégio são “talentosos” e integram a “elite intelectual que o Brasil tem de construir”. “No mundo todo, os alunos brilhantes são considerados uma riqueza do país. O Brasil está caminhando para isso. Nós somos representantes do Brasil no conselho internacional de superdotados.”

O diretor de Ensino do Colégio Bernoulli, Rommel Domingos, que ficou em segundo lugar no ranking nacional, comemorou o resultado, mas fez críticas à divulgação das notas. “Algumas escolas selecionam uma turma de melhores alunos para conquistar o resultado. É lícito, mas é uma manobra que nós não queremos fazer. Nós temos 300 alunos”, diz. O diretor ressaltou que a instituição subiu meio ponto. “Há um amadurecimento tanto da escola quanto do exame”, diz.

Mais conteúdo sobre:
Enem

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.