Escolas americanas apresentam em São Paulo sistema de internato

Feira vai aproximar candidatos de colégios que oferecem sistema de ensino e moradia conjuntos

Guilherme Soares Dias, especial para o Estado, Estadão.edu

25 Março 2014 | 03h00

Estudar nos Estados Unidos durante o ensino fundamental ou médio pode aumentar as chances de cursar, no futuro, uma universidade americana. Uma das opções para adolescentes de 10 a 17 anos é o sistema de internato, em que o estudante mora em um alojamento na instituição e é estimulado a desenvolver atividades extracurriculares, como esportes, artes, dança e gastronomia.

"Além do inglês fluente, o aluno traz na bagagem uma experiência mais abrangente que a de um intercâmbio comum", afirma Annie Lundahl, diretora de marketing da The Association of Boarding Schools (Tabs), grupo americano que reúne 284 escolas que recebem alunos no sistema de internato. O investimento mínimo para o ingresso em uma escola desse tipo varia de US$ 30 mil a 65 mil por ano (de R$ 70 mil a R$ 151 mil).

Os requisitos para ingresso variam de acordo com a instituição. Em geral, há testes para avaliar a aptidão do aluno e o inglês. Quem se interessar poderá conhecer o processo na Feira Internacional de Escolas Privadas Internato 2014 (mais informações nesta página).

O ex-nadador e empresário Gustavo Borges, de 41 anos, fez o último ano do ensino médio no sistema de internato em 1990, quando tinha 17 anos. "Foi uma experiência boa e era mais prático para praticar esporte e estudar."

O estudante Matheus Jakimiu, de 20 anos, saiu de União Vitória (PR), para concluir o ensino médio em Oakdale. Agora, faz cursinho para tentar admissão em uma universidade americana. Para ele, a principal vantagem é o aprendizado social. "Você aprende a conviver e se torna mais respeitoso e compreensivo."

Serviço

Feira Internacional de Escolas Privadas Internato 2014

Data: 1º de abril de 2014

Local: Hotel Renaissance São Paulo - Al. Santos, 2233

Horário: das 18h30 às 20h30

Entrada gratuita

www.BoardingSchools.com/SaoPaulo

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.