Escolas à la carte

Ranking aponta melhores colégios de SP segundo perfil da renda familiar do aluno, localização e desempenho no Enem 2010

Carlos Lordelo, do Estadão.edu,

25 Setembro 2012 | 00h13

Para especialistas, o perfil socioeconômico das famílias é um dos fatores decisivos para explicar o desempenho de alunos e escolas no Enem. “Quem nasce em famílias de maior renda geralmente recebe estímulos que vão do incentivo a leitura a viagens, passando pela cobrança dos pais por melhores professores, o que influencia o aprendizado”, diz Naércio Menezes, coordenador do Centro de Políticas Públicas do Insper.

Porém, pais preocupados com o futuro dos filhos não são exclusividade de famílias ricas. Colégios que atendem a classe média e aos pobres também são cobrados para entregar um serviço de qualidade. Isso se reflete nas notas do Enem: basta olhar a tabela acima para descobrir que há boas opções de escolas na capital para cada faixa de renda familiar.

A reportagem traçou o perfil socioeconômico dos colégios segundo as respostas dos questionários do Enem 2010 – o último com dados disponíveis. O gráfico reúne colégios com pontuação acima da média nacional (de 553,73) em que pelo menos metade dos alunos do 3º ano fez o Enem, divididas pela faixa de renda predominante – na qual se enquadraram pelo menos 45% dos matriculados na 3ª série. O levantamento, inédito, foi feito pela Meritt Informação Educacional a pedido do Estadão.edu.

O serviço visa a auxiliar os pais na difícil escolha do colégio para os filhos. Ele revela, por exemplo, que seis das oito melhores escolas para famílias com renda de até 6 mínimos são técnicas. A líder é a Etec São Paulo, no Bom Retiro, centro. Como as demais Etecs, ela seleciona alunos por meio de um vestibulinho. “O aluno também seleciona a escola, sabe que ter um bom desempenho no Enem é o caminho mais fácil para o curso superior”, diz Almério Melquíades de Araújo, coordenador do Ensino Médio e Técnico do Centro Paula Souza, autarquia estadual responsável pelas Etecs.

Famílias com ganhos entre 6 e 12 mínimos que procurarem uma escola onde a maioria dos estudantes seja dessa faixa de renda ficará frustrada se morar no centro: lá não existem opções para esse grupo.

O colégio que melhor combina desempenho no Enem e a predominância de alunos com renda familiar na faixa de 6 a 12 mínimos é o Albert Sabin, no Parque dos Príncipes, zona oeste. Em 2013, o Sabin cobrará dos estudantes do 3º ano 13 parcelas de R$ 1.706, valor que inclui uma espécie de cursinho, à tarde e aos sábados, de preparação para vestibulares.

O farmacêutico Almir Storck, de 48 anos, está satisfeito com o Sabin. Sua filha Ana Carolina, de 17, entrou no colégio no 1.º ano, após conseguir desconto de 40% em um concurso de bolsas. Agora no 3.º ano, ela quer prestar vestibular para Design. “É uma avaliação intuitiva, mas eu e minha esposa achamos o Sabin bastante adequado ao nosso perfil. No dia em que conhecemos a escola, observamos os alunos e o tratamento dos funcionários para com as pessoas”, diz Storck.

Na faixa de renda de 12 mínimos ou mais estão as escolas com melhor desempenho no Enem – e as mensalidades mais caras, como o Vértice, do Campo Belo, zona sul, que cobrará 13 parcelas de R$ 3.253 no 3.º ano do ensino médio em 2013. “Nossos alunos vêm de famílias com interesse grande por uma educação de qualidade, que procuram uma escola alinhada com seus valores”, afirma o diretor Adilson Garcia.

Mais conteúdo sobre:
Ranking escolas Enem São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.