Escola Politécnica da USP aprova transferência de curso para Santos

Bacharelado em Engenharia de Petróleo sairá da Cidade Universitária; proposta precisa passar por outras instâncias da USP

Carlos Lordelo, Estadão.edu

09 Junho 2011 | 21h02

A Escola Politécnica da USP aprovou nesta quinta-feira a transferência do curso de Engenharia de Petróleo do câmpus do Butantã, na zona oeste, para Santos. A proposta segue agora para análise do Conselho de Graduação e, em seguida, do Conselho Universitário, instância máxima da USP. Se a sugestão for acolhida, o bacharelado pode ser oferecido já no vestibular deste ano. Quem já começou a graduação concluirá a formação na capital.

 

“Será histórico montar um câmpus da USP em Santos”, disse o diretor da Poli, professor José Roberto Cardoso. A universidade deve se instalar no bairro de Vila Matias, na região central da cidade.

 

Segundo Cardoso, a mudança de endereço do curso foi aprovada por unanimidade pelos membros do Conselho Técnico Administrativo (CTA) da escola. “Foi dado o passo mais importante, que é a concordância da unidade em transferir seu curso.” O professor está confiante de que o projeto também passe pelos próximos órgãos colegiados.

 

Veja também:

 

linkPresidente do Grêmio Politécnico aprova transferência de curso de engenharia

 

Com a mudança para a Baixada Santista, Engenharia de Petróleo ganhará mais vagas e será uma carreira independente na Fuvest. Atualmente, o estudante não presta vestibular especificamente para Engenharia de Petróleo. Após ser aprovado na Fuvest, ele tem um ano de matérias básicas de Engenharia com colegas de outros cursos. Depois desse período, pode disputar as dez cadeiras que a Poli hoje oferece para a formação em petróleo.

 

Conforme o Estadão.edu revelou mês passado, a migração da USP para a Baixada é um dos projetos da gestão Geraldo Alckmin (PSDB). O prefeito de Santos, João Paulo Tavares Papa (PMDB), também reivindica cursos nas áreas de Logística e Oceanografia.

 

“A vinda da USP confere a excelência técnica necessária para nos manter no mercado emergente da exploração do petróleo no pré-sal”, disse à época o prefeito de Santos. “A universidade é ferramenta essencial para nosso desenvolvimento.”

Mais conteúdo sobre:
Santos Poli USP Engenharia de Petróleo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.