'Escola não dá conta dos desafios contemporâneos'

Para professor titular da Universidade Federal da Bahia, cada ação das escolas deve ter um profundo conhecimento e planejamento

Entrevista com

Nelson Pretto

Paulo Saldaña, O Estado de S. Paulo

08 Dezembro 2014 | 02h03

1. Precisamos pensar uma nova escola?

A escola constituída da forma que está não dá conta dos desafios contemporâneos. Estudos já constatam há tempos um descompasso da escola com o mundo fora dela. Para mim, ela precisa ter um jeito hacker de ser. É uma escola e professor que compreendam o conhecimento multifacetado. Essas "caixinhas" não correspondem com as demandas atuais.

2. Como devem ser as mudanças?

Em cada ação precisa ter um profundo conhecimento e planejamento. O professor tem papel fundamental. Continua sendo autoridade, mas precisa da autoridade intelectual. Você não joga fora a sala tradicional, mas transforma os espaços, resgata o movimento dos fazedores. É um conjunto de ações integradas, em que a escola e o professor continuam imprescindíveis.

3. Os alunos de hoje são diferentes?

Talvez seja mais dramático lidar com esses alunos. Antes, existia escassez de informações e a escola ganhava poder, formava e informava. Ia-se na escola para saber das coisas, o que não ocorre mais. Mas a escola sempre foi um espaço consolidado, do antigo que se relaciona com o novo. Não resolveremos isso. Seremos desafiados pelas gerações e isso faz o mundo girar.

NELSON PRETTO É PROFESSOR TITULAR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA (UFBA), ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO

Mais conteúdo sobre:
Educação Tecnologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.