Sérgio Quintella/Estadão
Sérgio Quintella/Estadão

Escola estadual na Mooca suspende aulas toda vez que chove forte

Alunos e professores da José Heitor Carusi denunciam condições da unidade, que apresenta goteiras e paredes com rachaduras

Sérgio Quintella, O Estado de S. Paulo

11 Março 2015 | 08h08

Atualizado às 10h05

SÃO PAULO - Em péssimas condições, a Escola Estadual José Heitor Carusi, na Mooca, zona leste de São Paulo, oferece risco às pessoas. Os 900 estudantes, professores e funcionários estão apreensivos. As aulas foram canceladas por causa das fortes chuvas.

Sempre que chove forte na escola, que fica ao lado do Clube Atlético Juventus, as aulas são suspensas para que os funcionários possam tirar a água que pinga do teto, escorre pelas paredes e alaga os pisos de madeira.

Um servidor que pede para não ser identificado diz que o trabalho é em vão quando ocorre nova chuva. "Está entrando bastante água. As condições do telhado estão ruins. Na última terça não teve aula nem de manhã e nem de tarde."

Além das goteiras, parte do teto do pátio desabou, o chão de um corredor apresenta trincos e há paredes com grandes rachaduras.

Aluna do 3º ano do ensino médio, Rebeka Soares diz que pensa em mudar de escola para não atrapalhar os estudos para o vestibular no fim do ano. "A gente ficou a semana passada inteira com a sala molhada, porque a gente colocava balde, mas a goteira não era em um lugar só. Estou fazendo cursinho e no final do ano tenho vestibular. Não é válido ficar perdendo aula", afirma.

Maria Isabel Faria, dirigente regional de ensino, diz que o telhado será consertado e as aulas perdidas serão repostas. "Haverá intervenção no telhado e o problema será resolvido. Se por ventura alguém perder alguma disciplina, as aulas serão repostas."

A dirigente regional de ensino não soube explicar se as rachaduras nas paredes e no piso serão consertadas.

Em nota, Maria Isabel reitera que nenhuma escola tem autorização para dispensar alunos. "Para que as obras que aprimoram o ambiente escolar ocorram simultaneamente ao andamento das aulas, os alunos foram realocados nos espaços da unidade de ensino", informa. "Todo o planejamento da reforma foi feito para minimizar os incômodos aos estudantes e as atividades escolares estão garantidas."

Mais conteúdo sobre:
São Paulo Chuvas Mooca Escola estadual

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.